O ministro da Agricultura, Wagner Rossi, afirmou hoje que o Brasil ampliará o número de fazendas habilitadas para exportar carne bovina à União Europeia. Atualmente, há 1,8 mil unidades com permissão para a comercialização. Rossi está em Bruxelas, na Bélgica, para tentar ampliar o mercado europeu para a carne brasileira. Ele conversou com jornalistas brasileiros por meio de teleconferência.

“Houve entendimento positivo em relação ao credenciamento de fazendas brasileiras”, disse. Segundo o ministro, o assunto foi acordado na esfera política e, a partir de agora, os detalhes sobre a ampliação serão acertados entre as equipes técnicas do Brasil e da Europa. Rossi disse que o sistema atual de rastreabilidade limitou muito o número de fazendas credenciadas, o que acaba interferindo no resultado das exportações para a Europa. “Hoje há 1,8 mil fazendas credenciadas. O número é pequeno e precisamos ampliá-lo rapidamente”, avaliou.

Segundo Rossi, o Ministério da Agricultura poderá indicar fazendas que ainda não fazem parte do cadastro europeu. “Eles se propuseram a aceitar essas fazendas, ficando com o direito de inspecioná-las a qualquer momento”, explicou. O ministro salientou também que, com a crise financeira internacional, caiu o consumo de carne no bloco e uma das consequências foi a diminuição da importação do Brasil. Ele contou ter mostrado aos anfitriões o desenvolvimento da produção agrícola brasileira. “A agricultura e pecuária do Brasil sofreram aumento de qualidade e nos colocaram na vanguarda da agricultura no mundo.”

Rossi disse, ainda, ter garantido aos europeus que os frigoríficos brasileiros que vendem carne para o bloco econômico se comprometeram a não comercializar nenhum boi de áreas de florestas. O ministro aproveitou a viagem para detalhar o funcionamento do programa Boi Guardião – sistema de georreferenciamento do gado implantado pelo Brasil em parte do Pará e que deve ser estendido para todo o País.