Depois de adquirir corretoras com forte presença no Chile e Colômbia, o BTG Pactual vai expandir sua atuação e operar como um banco nesses países. A instituição, que depende do aval dos órgãos reguladores, espera que esteja apta a dar mais um passo dentro da sua estratégia de expansão na América Latina já no primeiro semestre de 2014, segundo Roberto Sallouti, diretor de operações (COO) do BTG Pactual.

No Chile, onde o banco comandado por André Esteves adquiriu a corretora Celfin, em fevereiro do ano passado, a licença para atuar como um banco pode sair ainda neste ano. Já na Colômbia, país no qual o banco de André Esteves atua por meio da aquisição da também corretora Bolsa Y Renta, anunciada em junho de 2012, a expectativa é que a autorização saia no começo do próximo ano.

De acordo com Sallouti, os prazos, tanto da licença no Chile quanto da autorização na Colômbia, podem sofrer alterações, uma vez que dependem dos respectivos reguladores.

As licenças bancárias no Chile e na Colômbia possibilitarão ao BTG expandir sua capacidade nesses mercados, de acordo com o executivo do banco. Isso porque, embora a instituição já esteja apta a distribuir produtos por meio de suas corretoras, ao atuar como um banco poderá ter depósitos locais e equiparar o custo de captação de recursos aos dos grupos nacionais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.