Tomar café é um ato simples, basta transferir o líquido da xícara para a boca e daí direto para o estômago. O ato de degustar, ao contrário, passa pelo cérebro. “Chega a ser uma experiência sensorial”, explica Alf Kramer (especialista em cafés da Associação Européia de Cafés Especiais). Para desfrutá-la ao máximo é preciso sentir o café e aprender a interpretá-lo, por isso é necessário educar as emoções para depois traduzi-las.

No processo de degustação, beber é o último estágio, o momento de confirmar tudo o que sentiu.Mas isso só será possível se a bebida for feita com cafés de qualidade superior,os chamados cafés especiais. Pratos saborosos,sobremesas fenomenais correm o risco de serem esquecidos se o “cafezinho” final não estiver à altura da refeição.”Um café de boa qualidade é fundamental para o término de qualquer refeição.Você pode comer um prato divino,mas se beber um café de qualidade duvidosa, sairá com a impressão de que algo não caiu bem,já que a última sensação é a que fica”,afirma a diretora da Sociedade Brasileira de Ópera, Eliane Castro, que também exporta cafés finos. Grãos de elevado padrão são fundamentais para um bom café, mas se a bebida não for bem preparada, parte do encanto estará perdido e a excelência de qualidade, longe de ser percebida.

Atentos a essa nova leva de consumidores mais informados e seletivos, o setor de gastronomia começou a reagir. Alguns restaurantes como Charlô, Loft, Galeto’s e Empório Segatto, em São Paulo e o Garcia & Rodrigues, no Rio, passaram a comprar cafés especiais e a participar de cursos sobre o produto, a fim de agregar mais valor aos seus serviços. Essa tendência vem no embalo do crescimento do consumo de grãos de qualidade superior no mundo todo, cuja demanda expande 15% ao ano, ante somente 1,5% do café comum. Cafeterias, escolas de baristas e várias marcas de cafés gourmets reforçam a cultura de apreciadores de cafés de qualidade.

Com o objetivo de auxiliar o consumidor na busca dos melhores cafés, a Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA ) promoverá nos dias 28 e 29 de Outubro (segunda e terça feiras), em São Paulo, o primeiro encontro do setor. Uma grande oportunidade para o mundo da gastronomia aprender mais sobre essa arte. “Eventos desse porte são de extrema importância porque além de apresentar um universo novo e saboroso para os fãs do cafezinho, serve também para divulgar de forma ampla o conceito dos cafés especiais certificados; já estava na hora do consumidor brasileiro ter acesso ao que de melhor nós produzimos.“ garante o presidente da Associação , Marcelo Vieira. Cursos básicos e avançados de barista serão ministrados pela americana Sherri Jonhs, expert no assunto e ex-diretora da Starbucks Coffee.Kramer vai ensinar a degustar cafés especiais e o empresário e enófilo, Ciro Lilla, falará do universo dos cafés e vinhos. Assim como o vinho, o café merece ser analisado de forma especial e prazerosa. Com isso, o Brasil se aproxima do dia em que terá nos restaurantes cartas de cafés, como já acontece na Europa. O cliente poderá, finalmente, escolher o tipo de grãos que ele quer ver transformado em saboroso café.