Discretamente, a Caixa Econômica Federal começou a negociar a compra de participação em bancos pequenos e empresas de setores que sofreram com a restrição de crédito depois do agravamento da crise. Se as negociações forem bem sucedidas, as compras serão feitas pela CaixaPar, subsidiária da Caixa que será formalmente criada nos próximos dias.

Com pelo menos dois bancos pequenos as negociações já estão avançadas, segundo fontes ouvidas pela Agência Estado. Mas há conversas iniciadas também com um banco de médio porte. A movimentação da Caixa se insere numa estratégia de governo para destravar o crédito, ampliar a concorrência e reduzir o custo financeiro dos empréstimos bancários. Uma das orientações dadas à Caixa é priorizar operações em nichos que foram afetados pelo travamento de crédito que abalou os bancos médios e pequenos, entre eles o financiamento de automóveis.

As negociações começaram há alguns meses, mas se intensificaram depois que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou, no início do mês, a Lei 11.908, originada da Medida Provisória (MP) 443, que permitiu que os bancos públicos comprassem outros bancos, além de ter autorizado a criação da CaixaPar. A CaixaPar ficará ligada à vice-presidência de Finanças da Caixa e os nomes da diretoria serão definidos até o fim da semana.

“A Caixa está conversando com vários bancos e fazendo prospecção de mercado”, disse uma fonte do governo. Segundo a fonte, a Caixa deve priorizar a compra de participações, e não bancos inteiros, num modelo parecido com o da operação feita pelo Banco do Brasil (BB) e o Votorantim. Em janeiro, o BB comprou 49,9% do Votorantim. “O sonho hoje de muitos bancos menores é ser comprado pela Caixa”, disse uma fonte do Ministério da Fazenda.