O Paraná vacinou 98,62% do seu rebanho contra a febre aftosa, durante a campanha realizada em maio deste ano. Na região de fronteira com a Argentina, Paraguai e  na divisa com Mato Grosso do Sul, o índice de vacinação chegou  a 99,55%. Das 9,49 milhões de cabeças do estado, 9,36 milhões de cabeças foram imunizadas.

O resultado foi considerado bom pelos técnicos do Departamento de Fiscalização e Sanidade Agropecuária da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento. Para o  secretário da Agricultura e do Abastecimento, Valter Bianchini, os índices obtidos estão entre os melhores do estado, que  tem cumprindo todas as exigências internacionais para conquistar a classificação de área livre de febre aftosa.

Os dois maiores mercados para compra de carne bovina como a Rússia e a União Européia  aguardam decisão da Organização Internacional de Epizootias (OIE), responsável pela preservação da saúde animal,  para suspender o embargo aos estados do Circuito Pecuário Centro-Oeste atingidos pela febre aftosa em 2005.

De acordo com a Secretaria da Agricultura, no final deste mês o Ministério da Agricultura deve enviar um relatório final sobre a situação sanitária desses estados e a OIE deve enviar uma missão, entre os dias 15 e 27 de outubro, para auditar o sistema brasileiro de defesa e inspeção sanitária animal.