A carga nacional de energia começou a dar sinais de recuperação em fevereiro, puxada pela retomada na produção industrial, segundo avalia o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) em seu Boletim de Carga Mensal. De acordo com o documento, houve alta de 0,7% na carga de energia no Sistema Interligado Nacional (que inclui o consumo mais perdas no sistema) durante o mês passado, “revertendo a indicação negativa dos últimos dois meses”, diz o texto.

Segundo o ONS as temperaturas mais altas do que em fevereiro do ano passado também contribuíram para aumentar a carga de energia. Com relação a janeiro, o aumento do consumo foi de 4,9%. No acumulado de 12 meses, o indicador mantém alta de 2,2%.

“O aumento na produção na indústria pode sinalizar uma reação à crise econômica que se instalou a partir do último trimestre do ano passado”, avaliam os técnicos da entidade. Em janeiro o Boletim de Carga Mensal indicou uma queda de 2,6% no consumo nacional de energia. Já em dezembro, a queda foi de 3,1%, sempre na comparação com o mesmo mês do ano anterior.

Nos meses anteriores, a redução na carga foi explicada pela retração no consumo industrial. “Alguns setores industriais continuam concedendo férias coletivas e procedendo paradas de manutenção (…) No entanto esses setores mostram-se mais otimistas em relação à retomada da produção, embora em ritmo ainda inferior ao que estavam praticando. Soma-se a isso a recomposição do nível de estoques, em especial os ligados à indústria automobilística”, diz o boletim de janeiro.

A maior alta, de 1,4%, foi verificada justamente no subsistema Sudeste/Centro-Oeste, onde se concentra a maior parte dessa indústria. Já o consumo no Sul teve crescimento de 0,3%. No Nordeste e no Norte houve queda, de 0,7% e 1,2% respectivamente. Este último, porém, ainda não havia sentido os efeitos da crise.