A carga de energia verificada no Sistema Interligado Nacional (SIN) durante o mês de março atingiu a marca de 67.145 MW médios, uma expansão de 1,2% em relação ao mesmo período do ano passado. O número divulgado nesta quarta-feira, 8, pelo Operador Nacional do Sistema (ONS) foi impulsionado pelas regiões Sul e Nordeste, onde a carga cresceu 6,4% e 6,1%, respectivamente. As regiões Sudeste/Centro-Oeste e Norte, por outro lado, registraram retração de 1,2% e 1,3% da carga, respectivamente.

De acordo com o ONS, o crescimento da carga em março teria sido menor se fossem excluídos os efeitos de fatores fortuitos e não econômicos. O número ajustado, nesse caso, aponta para uma alta de apenas 0,1% na comparação entre meses de março. Na comparação sem ajustes entre os 12 meses encerrados em março deste ano e período equivalente anterior, a carga do SIN cresceu 1,8%.

O ONS atribui os números de março ao “baixo desempenho da indústria, bem como a redução que vem sendo observada no nível de atividade do setor de comércio e serviços”. Outro destaque feito pelo ONS está relacionado a questões sazonais: o carnaval neste ano ocorreu em fevereiro, em comparação à ocorrência em março do ano passado.

O maior número de dias úteis em março deste ano não foi suficiente, entretanto, para garantir aumento da demanda na região Sudeste/Centro-Oeste, responsável por 39.405 MW médios (58,7% da carga do Brasil) no mês passado.

Na região Sul, o forte aumento da carga é atribuído à demanda pelas classes residencial e comercial e o desempenho do setor agroindustrial. No Nordeste, pesaram a favor da expansão do consumo de energia os segmentos residencial e comercial e o maior número de dias úteis. No Norte, a queda é explicada pelo ritmo de atividade dos grandes consumidores eletrointensivos conectados à rede básica.

Nordeste

Também nesta quarta-feira, o ONS informou que o subsistema Nordeste registrou um novo recorde de demanda instantânea. A marca de 12.186 MW foi registrada às 14h24 da última segunda-feira, superando a antiga marca de 12.166 MW do dia 19 de janeiro. A forte demanda por energia, segundo o ONS, foi decorrência das temperaturas verificadas nas capitais Recife (32ºC), Salvador (34ºC) e Fortaleza (32ºC).