Entre os países emergentes, o Brasil é o campeão em carga tributária e ocupa a segunda posição no ranking mundial, atrás da Alemanha, onde a carga tributária chega a 41% do PIB, segundo pesquisa realizada pela Oliveira Neves e Associados.

De acordo com a pesquisa, 35% dos entrevistados avaliam que o peso dos impostos sobre os custos das empresas está entre 21% e 30%. Para 28%, o impacto está entre 11% e 20%. Outros 17% dos entrevistados consideram que varia entre 1% e 5%; 8% responderam que o peso dos impostos varia de 6% a 10%. Uma parcela de 6% dos entrevistados acha que o impacto dos impostos sobre seus custos vai além dos 30%, enquanto que para outros 6% o peso dos impostos está abaixo de 1%.

Baseado na pesquisa, as divergências decorrem da forma que a carga tributária incide sobre cada um dos setores que compõem a cadeia produtiva brasileira. Há produtos e serviços que são mais ou menos taxados, seguindo uma lógica às vezes difícil de entender. A pesquisa revela ainda, que a taxação dos produtos alimentícios brasileiros, por exemplo, atinge em média 35%. O preço de um iogurte embute 18% só de ICMS.