O comportamento dos preços na primeira quinzena deste mês não deixa dúvida que a ceia de Natal vai estar mais cara. Segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) de dezembro, divulgado ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as 11 regiões metropolitanas pesquisadas apresentaram alta na comparação com o mês anterior.

A Grande Curitiba ficou em quarto lugar, com variação de 0,90%, enquanto a média nacional ficou em 0,69%. No acumulado do ano, a capital paranaense divide com o Rio de Janeiro a vice-liderança dentre as regiões que tiveram maiores altas em 2010, com 6,42% de ajuste nos itens analisados.

No ano, foram os habitantes de Belo Horizonte que pagaram mais caro (7,03%). O País apresentou aumento médio de 5,79%. O grupo das carnes continua tendo o maior impacto sobre o orçamento do consumidor daqui e de todo o País.

Na comparação com novembro, a primeira quinzena de dezembro já apresentou 11,21% de reajuste na Grande Curitiba. Essa foi a quarta maior variação dentre as regiões analisadas, o percentual brasileiro ficou em 8,32%.

Os cortes mais valorizados foram os assados, cuja procura aumenta por conta das festividades. Os consumidores de Curitiba e região tiveram que pagar 15,77% a mais pelo quilo do contrafilé e 13,62% a mais pelo quilo da costela.

“Os preços que os produtores e distribuidores têm apresentado neste mês estão muito valorizados, tanto que estamos aproveitando o período em que comumente se utiliza cortes suínos e algumas aves nas comemorações para introduzir no cardápio do dia a dia dos clientes. É o meio que temos de reduzir a compra da carne bovina e pressionar para um recuo dos preços”, conta o proprietário da Casa de Carnes Uberaba Darci, Dirceu Wierbitzki.

Ele recomenda aos clientes que procuram fartura e economia na ceia, uma peça inteira de carne suína. “Vendemos o porco fresco e limpo, o sabor é diferenciado das peças congeladas que os supermercados oferecem e o quilo está em torno de R$ 11”, informa.

Dielson: “Lombo desossado”.

Na Casa de Carnes Pé de Boi, além da opção de cortes de aves ou suínos, os consumidores garantem praticidade na hora do preparo. “Oferecemos o Carret de lombo suíno, desossado, temperado e com a camada de gordura para a pururuca por R$ 26 por quilo, enquanto, que o quilo da mesma carne sem o preparo e a carcaça está por R$ 25”, compara o proprietário, Dielson Schilipacke.

Quanto à carne bovina, ele conta que a saída para amenizar as constantes altas registradas neste ano, foi eliminar o distribuidor. “Hoje eu compro direto de uma cooperativa de Guarapuava que me garante cortes mais requintados, como tiboni de novilho, a preços mais viáveis”, revela.

Para quem procura por aves na ceia e quer economizar sem abrir mão de um prato inusitado para a família, Schilipacke sugere o marreco recheado, por R$ 10,90 o quilo. “Não é tão comum, mas tem um gosto especial e enfeita a mesa”.