O governador de Mato Grosso, Blairo Maggi (PPS), afirma que os chineses querem comprar soja diretamente de agricultores brasileiros ou de empresas da China, que se instalarem no Brasil, dispensando a intermediação de “tradings” (empresas exportadoras) norte-americanas. Para alcançar o objetivo, segundo Maggi, empresários chineses e o governo da China estão dispostos a investir até US$ 3 bilhões em ferrovias e portos no Brasil. Maggi esteve na China com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na semana passada.

Desde domingo, Maggi está no Japão. Em entrevista gravada, ele disse que nos portos brasileiros “não tem espaço para uma empresa chinesa originar soja em Mato Grosso e fazer chegar à China sem passar por ?tradings?, principalmente norte-americanas, que dominam o setor”. Daí a “necessidade”, segundo o governador, de os chineses investirem em infra-estrutura. Maggi diz que o Brasil pagaria o investimento com produtos agrícolas no período de 20 anos.

A China é o maior importador de soja do mundo. Adquiriu US$ 4,2 bilhões do produto em 2003. Maggi é conhecido como o “rei da soja” por ser um dos maiores produtores do Brasil.

Mato Grosso deve colher nesta safra 14,5 milhões de toneladas do grão, ou seja, 28,8% da produção nacional, segundo estimativa da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento).

Ao menos uma grande estatal chinesa, a CGOG (China Grains & Oils Group), está em busca de um parceiro brasileiro disposto a desenvolver um projeto para produzir soja e exportá-la para a China. Produzir soja no Brasil, na avaliação da CGOG, reduz o preço de importação do produto.