Estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV), que também aponta as 100 melhores cidades brasileiras para trabalhar conforme os novos conceitos de carreira, destaca Curitiba como a 7.ª no ranking nacional e a 2.ª da região Sul.

Os reflexos da atual ordem econômica definida pelos princípios da globalização têm gerado impactos dos mais diversos nas relações capital-trabalho. Um dos mais contundentes é sobre o planejamento da vida profissional, principalmente, daqueles cujas carreiras exigem formação superior e que o mercado de trabalho se apresenta cada vez mais competitivo.

O professor Moisés Balassiano, coordenador do Centro de Estudos de Carreiras da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getulio Vargas – EBAPE/FGV, estará em Curitiba hoje, na sede do ISAE/FGV em Curitiba (Av. Visconde de Guarapuava, 2943), para falar sobre o assunto.

Segundo Moisés Balassiano, as mudanças no conceito de carreira, as quais tem se verificado desde o início dos anos 90, estão resultando no deslocamento do interesse dos profissionais para as cidades, quando antes focavam o planejamento de suas carreiras nas grandes organizações. O modelo tradicional de carreira (voltada para a empresa, marcada por garantias de benefícios assegurados e por relativa segurança e estabilidade no emprego, além de uma progressão profissional vertical onde o sucesso é medido pela posição hierárquica conquistado na organização), está cada vez mais dando lugar a uma abordagem mais individualizada.

As melhores

Curitiba, um dos melhores índices de área verde por habitante no país, 51 m2, ficou em 7.º lugar no ranking geral. São José dos Pinhais, cidade atrativa para executivos, é a sede de O Boticário e da Renault, ficou em 38.º lugar no ranking geral. Londrina, tem 13 mil empresas de serviços e metade da mão-de-obra no setor, ficou em 41.º lugar no ranking geral. Maringá, é um importante corredor de importação e exportação, ficou em 42.º lugar no ranking geral. Foz do Iguaçu, sedia uma das maiores hidrelétricas do mundo, Itaipu, ficou em 56.º lugar no ranking geral. Ponta Grossa, tem fábricas de variados setores, como Kaiser, Sadia e Tetrapack, ficou em 66.º lugar no ranking geral, entre outras.