A presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu (PSD/TO), afirmou nesta quarta-feira em Bruxelas, na Bélgica, que o Mercosul é um entrave nas negociações de liberalização do comércio com a União Europeia. Na opinião da senadora, “a raiz do problema está no protecionismo incentivado por alguns países do bloco sul-americano”.

Kátia Abreu disse que utilizará “todos os instrumentos legais e democráticos para mudar o acordo no Mercosul” e lembrou que o setor agropecuário tem uma bancada muito forte no Congresso Nacional. “O governo tem sido insensível às nossas demandas. Se cruzarmos os braços, nada vai mudar”, diz ela por meio de nota.

Na avaliação da senadora, para que as negociações com a União Europeia avancem é preciso mudar a visão de alguns setores da indústria brasileira, “que insistem em barrar a liberalização do comércio com o bloco europeu”. Segundo ela, a realidade internacional mudou e o Brasil não pode ficar de fora de negociações bilaterais, ou entre blocos, que estão sendo efetivadas em diferentes regiões do mundo. A senadora citou como exemplos os entendimentos para o acordo de livre-comércio entre Estados Unidos e União Europeia, anunciados na semana passada.

Em nota, a CNA relata que a senadora Kátia Abreu participou nesta quarta em Bruxelas do painel “Brazil-EU Investment – cases and opportunities”, promovido pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). O evento, realizado no Parlamento Europeu, contou com cerca de 60 participantes e foi mediado pelo deputado português Vital Moreira, presidente da Comissão de Comércio Internacional do Parlamento Europeu (INTA), responsável pela validação do acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia.