O laboratório de biotecnologia da Cocamar, mantido em conjunto com a Universidade Estadual de Maringá (UEM) no campus dessa instituição, já começa a fazer a distribuição dos primeiros lotes de mudas de cana-de-açúcar produzidas por micropropagação às usinas paranaenses.

Inaugurado em maio de 2001, o laboratório é um dos únicos do Estado que operam com biotecnologia e, segundo o engenheiro agrônomo Clândio Medeiros da Silva, seu coordenador, o material entregue às empresas é formado por clones de alta produtividade, totalmente uniformes e livres de doenças.

A própria Cocamar, com destilaria situada no município de São Tomé, no Noroeste, recebeu as primeiras 5 mil mudas para instalação de um viveiro primário, do qual, em dez meses, começará a obter mudas para ampliação gradativa da área cultivada. A cana desse viveiro é composta por materiais de três variedades: FT 903723, FT 8642 e RB 845210.

“Este viveiro será a base do plantio comercial da destilaria”, explicou Silva.

SAFRA ENCERRADA

A destilaria da Cocamar foi uma das primeiras do Paraná a finalizar, no início deste mês, as operações referentes à safra de cana-de-açúcar 2002/03. De acordo com a cooperativa, foram processadas 580 mil toneladas de matéria-prima, obtidas de 10,3 mil hectares, e produzidos 45 milhões de litros de álcool.

De acordo com o gerente coordenador de álcool, Aparecido Carlos Fadoni, o volume moído em 2002 ficou bem acima dos 515 milhões de toneladas da última safra e a perspectiva é de crescimento em 2003. “Pretendemos chegar a 700 mil toneladas de cana e a uma produção de 55 milhões de litros de álcool”, informou.

Para isso, a destilaria está plantando 2.200 hectares este ano (entre plantios novos e reforma de canaviais) e uma área igual em 2003.