Um possível aumento da taxa de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) sinaliza que a economia norte-americana vai bem e isso seria positivo tanto para a economia da zona do euro quanto para a global, disse o membro do conselho executivo do Banco Central Europeu (BCE) Benoît Coeuré em entrevista concedida ao jornal alemão Boersen-Zeitung.

Sobre a decisão da China de desvalorizar o yuan, Coeuré afirmou que o país está seguindo em direção a um sistema cambial mais compatível com o mercado, o que é positivo. “Eu confio que as autoridades chinesas não vão usar a taxa de câmbio como um instrumento político”, disse.

Coeuré ainda afirmou que as políticas do BCE estão “encontrando o caminho para a concessão de crédito e para a economia real, mesmo que lentamente”. “Por isso queremos manter pulso firme”, disse. Segundo Coeuré, a instituição só deve voltar a agir “caso haja alguma mudança radical na economia ou na situação monetária por causa de acontecimentos nos mercados, como no caso de um aumento acentuado nos rendimentos dos bônus de longo prazo, por exemplo”.

Os comentários vêm no mesmo dia em que dados oficiais mostraram que a economia da zona do euro cresceu 0,3% no segundo trimestre – abaixo das expectativas dos economistas, de +0,4%. O resultado pode colocar pressão sobre o BCE para sinalizar disposição para fornecer mais suporte para a economia, segundo especialistas. Fonte: Dow Jones Newswires.