Foto: Arquivo/O Estado

Darci Piana: investimentos públicos vão impulsionar o comércio.

No que depender da expectativa dos empresários do comércio de bens e serviços do Paraná, o primeiro semestre deste ano deve ter um saldo bastante positivo. 84,54% dos 254 empresários que responderam a uma pesquisa de opinião, realizada pela Federação do Comércio do Paraná, disseram acreditar que as vendas nos seis primeiros meses de 2007 serão superiores às registradas no mesmo período de 2006.

No que diz respeito ao total de crescimento, 49,71% apontaram taxas que podem variar de 5% a 10%. ?O clima é bastante favorável para que os empresários tenham boas expectativas. O governo federal vem anunciando investimentos, o agronegócio vai bem e foi constatada queda nos juros. Além disso, o câmbio está estabilizado e a economia internacional está em alta?, comenta o presidente do Sistema Fecomércio Sesc Senac, Darci Piana.

Outros motivos para o otimismo do empresariado paranaense seriam os investimentos realizados pelo próprio governo estadual. Segundo Piana, o Paraná realizou diversos investimentos em infra-estrutura (como por exemplo na revitalização de estradas) e também isentou as pequenas empresas do pagamento de ICMS, o que colaborou com a manutenção de diversos negócios e também com a realização de novos investimentos nos mesmos. ?Em 2006, embora as expectativas fossem maiores, o Paraná cresceu entre 3% e 3,5% em relação a 2005. Se o governo federal tivesse cumprido tudo o que prometeu, poderíamos ter crescido muito mais.?

Ainda em relação à pesquisa, 42,78% dos empresários consultados afirmaram que a situação financeira no segundo semestre de 2006 foi melhor do que nos últimos seis meses do ano de 2005. Entre estes, 21,13% responderam que a situação financeira ficou entre 5% e 10% superior e 21,65% entre 0% e 5%. No que diz respeito a investimentos para 2007, eles devem ocorrer principalmente nas áreas de instalações, equipamentos e modernização visual, seguidas de informatização, propaganda e marketing, recursos humanos e pós-vendas.

Variáveis negativas

A expectativa de otimismo constatada na última pesquisa, 84,54%, foi a segunda melhor desde o ano de 2002. Só perde para a registrada em 2004, quando 87,50% dos empresários consultados disseram esperar que o primeiro semestre de 2005 fosse melhor que o do ano anterior. Porém, as perspectivas positivas também não impediram o empresariado de apontar algumas variáveis negativas para o crescimento.

A carga tributária elevada é vista como o maior impedimento ao progresso por 76,77% das pessoas que participaram da pesquisa. Depois dela, são apontados os encargos sociais elevados, a falta de recursos próprios para capital de giro e o custo elevado dos produtos. ?Não há como o País crescer da maneira que o governo anuncia se a carga tributária continuar como está. Para que haja redução, é necessário um trabalho intenso por parte do Congresso Federal?, declara Piana, que vê na aprovação da Lei Geral dasMicro e Pequena Empresa o início da solução do problema.