Foto: Ciciro Back

Luiz Carlos Meinert: tarifas mantidas.

A Companhia Paranaense de Gás (Compagas), empresa responsável pela distribuição do gás natural canalizado no Paraná, anunciou ontem que não vai repassar aos consumidores o reajuste de 9% que recebeu da Petrobras. A medida foi tomada pela distribuidora para manter a rentabilidade do negócio dos seus clientes, em especial as indústrias, que vêm enfrentando dificuldades em função da variação do preço do dólar e da carga tributária.

?Resolvemos absorver esse reajuste porque nosso objetivo principal é fazer com que o gás natural seja um aliado no negócio dos nossos clientes, proporcionando economia e aumentando a rentabilidade?, explica o diretor-presidente da companhia, Luiz Carlos Meinert.

Ele confirmou que as tarifas da empresa serão mantidas as mesmas até o final deste ano. Com isso, a Compagas fechará o segundo ano sem reajuste do gás natural. Em 2006 também não foram repassados aos clientes os aumentos trimestrais recebidos da Petrobras.

A variação no preço do gás importado da Bolívia é feita a cada três meses e tem como base a variação cambial, o preço do dólar e a cotação da cesta de óleos no mercado internacional. O governo boliviano repassou à Petrobras reajuste de 7,9% e a estatal reajustou em 9% para as distribuidoras.

A manutenção do preço do gás natural no Paraná vai beneficiar mais de 2100 clientes que utilizam o produto nos municípios de Curitiba, Araucária, São José dos Pinhais, Campo Largo, Balsa Nova, Palmeira e Ponta Grossa.