Complexo de Porto Camargo foi inaugurado em março passado.

O ministro dos Transportes, João Henrique de Almeida Sousa, e o governador Jaime Lerner assinam nesta terça-feira (4) o convênio de delegação do Complexo de Pontes de Porto Camargo para o Paraná. A solenidade será no Palácio Iguaçu, às 9h.

A delegação é uma exigência legal, uma vez que o Complexo de Pontes, Porto Camargo foi construído sobre o Rio Paraná, na divisa com Mato Grosso do Sul, eixo de uma rodovia federal – a BR-487, conhecida por Estrada Boiadeira.

A exemplo do que já ocorreu com a Ponte de Guaíra, com o convênio o governo federal repassa ao Paraná a administração e operação do complexo de pontes, pelo prazo de 25 anos, com a devida concordância do Governo de Mato Grosso do Sul.

A partir da assinatura do convênio, o Paraná passará a exercer diretamente a administração do complexo de pontes. Isso inclui a conservação do trecho rodoviário e obras de melhoramentos para aumentar a segurança e conforto dos usuários, no período em que o complexo estiver sob responsabilidade do Estado.

Obra

O Complexo de Pontes de Porto Camargo foi construído pelo governo do Paraná e inaugurado pelo presidente Fernando Henrique Cardoso e pelo governador Jaime Lerner no dia 14 de março deste ano. Considerada a maior obra fluvial da América Latina, com 16,190 quilômetros de extensão, é formado por cinco pontes que totalizam 2.926 metros e mais 13.264 metros de rodovias.

O empreendimento recebeu investimentos de R$ 155 milhões. Com esta obra, em breve, o fluxo ultrapassará dois mil veículos por dia, a maioria caminhões, beneficiando todo o Noroeste paranaense e duas importantes regiões produtivas de Mato Grosso do Sul, a de Naviraí e a de Grande Dourados.

O novo corredor é o caminho natural e mais adequado para a exportação da crescente produção dessa região. Além do impacto econômico e maior segurança na transposição do Rio Paraná, o complexo garante a redução de cerca de 100 quilômetros, especialmente após a complementação da Estrada Boiadeira, no trajeto entre os principais pólos agrícolas do Centro-Oeste e Paranaguá, e a conseqüente diminuição do custo do transporte de mercadorias.

O considerável aumento no tráfego de caminhões está beneficiando diretamente os 108 municípios da região Noroeste do Paraná. O setor de serviços, em especial, deverá se expandir com o surgimento de novos hotéis, postos de gasolina, oficinas mecânicas, restaurantes e lanchonetes.