A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) revisou para baixo a projeção para a safra de grãos 2014/15, que não deve mais superar 200 milhões de toneladas. A nova estimativa, a sexta para o período, indica que a safra deve alcançar 198,5 milhões de toneladas, menos 0,8% em comparação ao levantamento anterior, de fevereiro (200,08 milhões de toneladas). Mesmo assim, o resultado ainda é 2,6%, ou 4,98 milhões de toneladas superior à safra anterior, de 2013/14, quando foram colhidas 193,5 milhões de toneladas.

Conforme a Conab, a soja é o destaque das pesquisas, com a colheita em pleno andamento. Houve problemas climáticos em janeiro, que influenciaram a expectativa de produtividade no Sudeste, parte do Centro-Oeste e na região do Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia). Com isso, a produção está projetada em 93,26 milhões de toneladas, queda de 1,40% em comparação com o levantamento anterior, ou 1,32 milhão de toneladas a menos. Apesar disso, a produção ainda é superior à safra passada 2013/14, com elevação de 8,3%, ou o equivalente a 7,14 milhões de toneladas.

O milho primeira safra teve uma redução de 6,1%, o que representa 1,93 milhão de toneladas a menos que a safra anterior, de 31,65 milhões de toneladas. Na comparação com o levantamento anterior, a queda é de 1,3% (menos 400 mil toneladas), de 30,12 milhões de t para 29,72 milhões de toneladas.

A área destinada ao plantio de grãos deve ser praticamente a mesma que a da última safra, alcançando 57,03 milhões de hectares. Dentre os principais produtos, a soja apresenta também evolução, com um crescimento de 3,9%, passando de 30,17 milhões para 31,33 milhões de hectares. A área destinada ao algodão deve diminuir, ficando em 976,1 mil hectares – 13% inferior à safra 2013/2014. O motivo é a redução do consumo e dos preços e o excesso dos estoques interno e externo. O levantamento também faz estimativas para as culturas de segunda safra, com uma expectativa de redução de 2,2% na área de milho, passando de 9,21 milhões para 9,01 milhões de hectares.