Foto: Átila Alberti

Projeção da safra atual apresentada pela Conab é reforçada principalmente pela soja.

O Brasil poderá bater novo recorde na produção de grãos, caso se confirmem os números do primeiro levantamento de intenção de plantio da safra 2007/08, anunciados ontem pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A pesquisa realizada no setor produtivo aponta para uma colheita entre 134,9 e 138,3 milhões de toneladas. O intervalo apresentado ocorre em razão da fase inicial de plantio das culturas agrícolas e da indefinição do produtor sobre quanto e o que plantar.  

Comparando-se à safra 2006/07 (131,5 milhões de t), o crescimento poderá chegar a 2,6% no intervalo inferior e 5,2% no superior. O motivo está nos bons preços dos produtos no mercado. ?Essa confirmação depende, também, das variações climáticas para o período?, completa o diretor de logística e gestão empresarial da estatal, Sílvio Porto.

A projeção da safra atual é reforçada principalmente pela soja, com uma produção estimada entre 59,4 e 61,3 milhões de t, ou 1,6% a 4,9% superior à do ciclo anterior (58,4 milhões de t). Outra cultura de destaque é o milho 1.ª safra, que deve ficar entre 37 e 38 milhões de t, aumento de 1,7% a 4,6% em relação às 36,4 milhões t da safra passada. O algodão em caroço também tem resultado maior, variando entre 2,5 e 2,6 milhões de t, ou 2,8% a 8,5% a mais que as 2,4 milhões de t anterior. Diferentemente, o feijão 1.ª safra apresenta uma queda de 13,9% a 11,1% e deve ficar entre 1,30 e 1,35 milhões de t.

Área

A safra deve contar com uma área superior em 1,2% e 3,4% sobre o plantio do último período, devendo ocupar entre 46,7 e 47,7 milhões de hectares (ha). O maior crescimento, segundo o estudo, está nas lavouras de soja, que sairão de 20,7 milhões ha para um intervalo entre 21,2 e 21,9 milhões ha. Esse quadro reflete o retorno do plantio da oleaginosa em áreas que deixaram de ser cultivadas na safra 2006/07.

Também há um significativo crescimento nas lavouras de milho 1.ª safra (de 2,3% a 4,5%) e de algodão (de 2,3% a 8,0%). Os técnicos da Conab estiveram em campo no período de 17 a 21 de setembro. Eles ouviram 915 informantes, como representantes de cooperativas, de órgãos públicos e privados, agentes financeiros e produtores de 305 municípios dos estados do centro-sul.