O Índice de Confiança da Indústria (ICI), indicador-síntese da Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação, subiu 1,3% em fevereiro ante mês anterior, após subir 0,8% em janeiro ante dezembro, dado revisado, informou nesta segunda-feira (2) a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O ICI é um indicador que utiliza para cálculo uma escala que vai de zero a 200 pontos, sendo que o resultado do índice é de queda ou de elevação, sendo que o resultado do índice é mais favorável quanto mais o seu nível se aproxima de 200 pontos. De janeiro para fevereiro, o indicador subiu de 75,3 pontos para 76,3 pontos, nos dados com ajuste sazonal.

Em comunicado, a FGV comentou que, apesar de registrar a segunda evolução positiva consecutiva, o índice ainda reflete um ritmo muito fraco de atividade econômica, sendo o quarto menor da série iniciada em abril de 1995, superando apenas os níveis de outubro de 1998 (71,2 pontos), dezembro de 2008 (74,7) e janeiro de 2009 (75,3), considerando-se dados com ajuste sazonal.

Na comparação com fevereiro do ano passado, o ICI registrou queda de 33,33%, recuo menos intenso do que a taxa negativa de 36,7% apurada em janeiro, na mesma base de comparação, nos dados sem ajuste sazonal.

O ICI é composto por dois indicadores. O primeiro é o Índice da Situação Atual (ISA), que teve queda de 0,9% em fevereiro após subir 2,6% em janeiro, na série com ajuste sazonal. O segundo componente do ICI é o Índice de Expectativas, que apresentou aumento de 3,7% em fevereiro, em comparação com a queda de 1,5% em janeiro, também na série com ajuste sazonal.

Na comparação com fevereiro do ano passado, nos dados sem ajuste sazonal, houve quedas de 33,2% e de 33,4%, respectivamente para o índice de Situação Atual e para o indicador de Expectativas, em fevereiro deste ano.

O levantamento para cálculo do índice foi realizado entre os dias 2 e 26 de fevereiro, em uma amostra de 1.072 empresas informantes.

Nuci

O Nível de Utilização de Capacidade Instalada (Nuci) da indústria sem ajuste sazonal ficou em 76,9% em fevereiro, após atingir nível de 76,7% em janeiro, segundo a FGV.

De acordo com a fundação, na série de dados com ajuste sazonal, o nível de uso de capacidade em fevereiro foi de 77,5%, abaixo do patamar de 78% registrado em janeiro. Esse patamar, pela segunda vez consecutiva, é o menor da série histórica disponível para esse tipo de índice, com ajuste sazonal, desde outubro de 2005.