O consumidor paulistano já acredita na recuperação da economia brasileira e seu otimismo se equipara ao período anterior à recessão, aponta o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) de julho, divulgado hoje pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP). O indicador, que apresenta trajetória de alta desde abril, atingiu em julho a marca de 139,8 pontos, quatro a mais que em junho. Em setembro de 2008, período anterior ao agravamento da crise internacional, o índice estava em 139,9 pontos.

O indicador da Fecomercio-SP trabalha com uma escala de zero a 200 pontos, indicando pessimismo abaixo de 100 pontos e otimismo acima desse patamar. O retorno da confiança do consumidor é atribuída pelos economistas da Fecomercio-SP a fatores que revelam que o País se recupera bem da recessão, como a redução de juros, a recuperação parcial do emprego e a reativação do mercado de crédito. “É razoável dizer que o ICC já reflete uma recuperação do otimismo no comportamento recente dessas variáveis relevantes para o desempenho da economia brasileira”, afirma o economista Thiago Freitas.

São os jovens do sexo masculino que mais acreditam em uma recuperação da economia diante dos desafios impostos pela crise. Consumidores com menos de 35 anos estão mais confiantes, passando de 137,9 pontos em junho para 144 pontos neste mês. O aumento também vale para os paulistanos com mais de 35 anos: o índice passou de 129,9 pontos para 133,5 em julho.

Quanto à expectativa de melhora da economia no futuro, o indicador mostra que tanto os homens como as mulheres consultadas estão mais otimistas. A confiança masculina subiu 4,4%, alcançando 150,4 pontos, enquanto a feminina aumentou 3,7%, passando para 142,3 pontos. O ICC é apurado mensalmente pela Fecomercio-SP desde 1994. São ouvidos 2.100 consumidores no município de São Paulo.