O mês passado foi o segundo melhor janeiro da série histórica da Associação Comercial do Paraná, desde 1994, em consultas ao Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC), indicador de vendas a prazo, apesar da queda típica se comparada a dezembro. Foram 328.868 consultas ao sistema, volume menor apenas que o mesmo mês de 2004. Em relação a dezembro a queda foi de 33,46%, o que era esperado em função do Natal.

Por outro lado, para o VideoCheque, indicador de vendas à vista, janeiro foi o pior desde 1998, com 231.350 consultas. A queda, em relação ao mês anterior, foi de 31,69%.

Segundo a ACP, 11,6% (SCPC) e 6,56% (VideoCheque) do total de consultas receberam "sinal vermelho" (apresentaram algum problema). A inadimplência mostrou leve redução, atingindo 0,47% do saldo líquido entre registros novos e cancelados em dezembro, relativos ao número de consultas realizadas em outubro. Para o vice-presidente de Serviços da ACP, Élcio Ribeiro, "os níveis encontram-se adequados para a regularidade de negócios no comércio".

Em janeiro de 2004, a inadimplência foi de 0,55% e em janeiro de 2003, de 1,67%. A inadimplência líquida anualizada (fevereiro de 2004 a janeiro de 2005) foi de 0,42%, continuando entre as mais baixas em relação às demais capitais brasileiras.

No acumulado (janeiro de 2004 a janeiro de 2005), dois dos quatro ramos de atividade de maior representatividade no comércio apresentam crescimento no número de consultas: calçados (5,44%) e concessionárias de veículos (2,94%). Vestuário e cine-foto-som e óticas registraram queda de 7,81% e 33,48%, respectivamente.

Para os próximos meses, a expectativa da ACP é de que a atividade comercial seja influenciada pelo pagamento de impostos em janeiro (IPTU e IPVA), compra de materiais escolares e os sinais dados pelo governo de continuidade da política de restrições de crédito e alta de juros.