Mais de cem pessoas de diversas regiões do País estão tentando reaver o dinheiro que pagaram pela compra de um computador na loja virtual Eletrocorp e não receberam o produto.

A empresa era indicada através de sites de referência comercial, como o Shopping UOL, o BondFaro e o BuscaPé, e ofertava equipamentos de informática com preços competitivos. Muitos clientes fizeram o pagamento à vista e ficaram surpresos quando souberam que a empresa teria falido.

O programador de Cianorte Rafael Vanço Ramon efetuou a compra de um computador no dia 12 de setembro e, após o pagamento de R$ 1,5 mil, recebeu a confirmação da entrega do equipamento em no máximo 20 dias.

“Antes de fazer o pagamento, eu conferi os dados na empresa na Receita Federal, verifiquei o domínio do site e estava tudo certo. Também havia indicação de outros sites como sendo uma empresa idônea”, comentou. Mas Rafael ficou surpreso quando dez dias mais tarde entrou no site da Eletrocorp e verificou que ela tinha encerrado as atividades.

O mesmo aconteceu com o professor de Biologia Omar Garcia, que antes de efetuar a compra adotou procedimento de busca de referencias comerciais da empresa. “Estava tudo certo e no site da Receita Federal o CNPJ constava como apto e ativo”, falou.

A estudante de Arquitetura de Seropédica, no Rio de Janeiro, Thalita, conta que além dela, o namorado também comprou um computador na loja virtual, e juntos amargaram um prejuízo de R$ 5 mil.

A estudante afirma que já havia feito compras pela internet em outros sites e nunca teve problemas. Assim como Thalita, os demais lesados defendem que os sites que indicaram a Eletrocorp são co-responsáveis pelo golpe.

Através de e-mail, uma pessoa identificada por Eliane afirmou que a Eletrocorp está propondo restituições em 14 parcelas, sendo a primeira no ato do acordo (que deve ser feito por e-mail) e o restante com intervalo de 10 a 20 dias úteis.

Na mesma correspondência a tal Eliane replicou uma mensagem que consta no site da empresa de que ela não conseguiu se manter no ramo de e-commerce, e pretende honrar todos os compromissos.

Falta de entrega configura crime

A advogada do Procon em Curitiba Marta Favreto Paim afirma que se houve o pagamento e o produto não foi entregue isso pode ser configurado como crime de estelionato.

Então é preciso registrar um boletim de ocorrência na polícia. Sobre as empresas que indicam o site, a advogada comenta que elas induzem ao erro, mas não podem ser responsáveis pela não entrega do produto.

Já o delegado do Núcleo de Combate aos Cibercrimes (Nuciber) da Polícia Civil, Demétrius de Oliveira, afirma que o primeiro passo é verificar o endereço da conta corrente da empresa, pois é onde foi aferido o lucro.

No caso da Eletrocorp, a sede é São Paulo e cabe à polícia daquele estado investigar. Também é possível pedir o bloqueio judicial da conta para que os estelionatários não possam continuar sacando o dinheiro.

Para efeitos de investigação, o delegado orienta que é preciso reunir documentos, como impressos do site da empresa onde ofertava a mercadoria, os e-mails recebidos e o comprovante de pagamento.

“Mas é preciso imprimir com as propriedades do cabeçalho, pois dessa forma é possível confrontar se o endereço da empresa bate com o local de domínio do site”, comentou.

Sobre a consulta dos dados cadastrais, Demétrios afirma que isso é importante, mas infelizmente muitos dados são forjados. “Hoje pela internet é possível falsificar documentos e abrir empresas até em nome de outras pessoas”, comentou.

Assim como, as indicações. “É comum os próprios estelionatários usare lan houses para elogias os sites e produtos para tentar maquiar o próprio crime”, falou.