Foto: Arquivo/O Estado

Distribuição de energia em alta.

O mercado de energia elétrica abastecido diretamente pela Copel cresceu 3,6% em 2005 comparativamente ao ano anterior, índice que confirmou as expectativas projetadas pela estatal. Em números absolutos, a Copel comercializou 18.696 GWh (gigawatts-horas) no ano que passou, contra 18.040 GWh em 2004. O consumo adicional verificado em 2005 equivale ao de uma cidade do porte de Maringá, onde existem mais de 120 mil ligações de energia elétrica atendidas.

Essa comparação exclui da base de cálculo relativa a 2004 o suprimento a consumidores industriais livres sediados fora do Paraná, cujos contratos expiraram no final daquele ano e não foram renovados. ?De acordo com as novas regras estabelecidas no setor elétrico, a energia disponível passou a ser negociada em sistema de leilões?, explica o diretor de distribuição da estatal, Ronald Ravedutti.

Outro fator que interferiu no entendimento dos números referentes ao consumo industrial foi a imposição da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) de que todos os clientes industriais enquadrados na categoria de consumidor livre migrassem, a partir de abril de 2005, das concessionárias de distribuição para empresas de geração. ?Isso significou um falso recuo de 9,3% no consumo industrial atendido pela Copel?, nota Ravedutti. ?O caso é que esse consumo simplesmente saiu da Copel Distribuição para passar para a Copel Geração, ou seja, o consumo continua existindo?, explicou.

Com essas ressalvas, o diretor de distribuição informa que o crescimento do consumo de eletricidade nas indústrias paranaenses em 2005 foi 1,8% maior que em 2004.

Comércio

Em termos percentuais, o maior destaque coube ao segmento comercial, que representa 17,3% do mercado consumidor da companhia e registrou uma expansão de 6,8% sobre o total de 2004.

O bom desempenho do setor, segundo os analistas da Copel, deveu-se em boa parte ao aumento verificado nas operações de crédito para pessoas físicas e ainda ao crescimento do número de estabelecimentos ligados, centros comerciais e outras instalações de grande porte com elevado padrão de consumo.

Rural

O segmento rural também apresentou crescimento expressivo, de 5,2% sobre o consumo total apurado em 2004. A área de mercado da Copel atribui esse resultado a um aumento da renda do produtor, decorrente das boas safras nos períodos 2002/2003 e 2003/2004, e conseqüente incremento na capacidade de aquisição de máquinas elétricas e aparelhos eletrodomésticos.

?Não se pode ignorar o aumento do consumo rural originado pelas famílias que passaram a ter acesso aos serviços de energia elétrica graças ao programa Luz para Todos?, afirma Ravedutti. ?O programa permite ligações elétricas gratuitas a famílias carentes moradoras na zona rural e tem absorvido pesados investimentos do governo do Paraná e da Copel, com participação também do governo federal?.

Em 2005, mais de 12 mil famílias foram beneficiadas pelo programa em todo o Estado.

Residências

A classe residencial, que responde por praticamente 25% de toda eletricidade servida pela Copel, cresceu significativos 4,2% no ano e refletiu positivamente no consumo médio por domicílio no Paraná, elevando-o em 1,5% (de 149,2 para 151,4 kWh/mês).

Na visão dos analistas de mercado da estatal, essa expansão também pode ser atribuída ao maior movimento nas operações de crédito, que facilitaram às pessoas adquirir mais aparelhos e equipamentos elétricos.