Rio (AE) – O consumo de energia no País registrou crescimento de 4,3% em agosto, ante o mesmo mês em 2005, totalizando 28.977 Gwh, divulgou ontem a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Segundo a EPE, este foi o maior nível de crescimento observado desde abril. O consumo no segmento industrial cresceu 3,8% e o consumo em residências, 3,4%. A classe comercial ficou acima da média nacional, com taxa de 6,4%, seguida pelo agregado ?outras classes? (composto pelo consumo rural, poder público e iluminação pública) 5,2%.

No balanço acumulado do ano, entre janeiro e agosto, o consumo total de energia apresenta crescimento de 3,9%. O segmento comercial e o agregado ?outras classes? (composto pelo consumo rural, poder público e iluminação pública) ficaram acima da média nacional, com 4,1% e 4,4%, respectivamente. A classe industrial cresceu 3,8%, e a residencial, 3,6%. No período, o consumo industrial nacional de energia elétrica totalizou o montante de 102.060 Gwh, representando 44,5% do mercado total. O avanço verificado contra o mesmo período de 2005 foi de 3,8%.

Setores

A classe industrial, que representou 45,8% de toda a energia elétrica consumida no país no mês de agosto, registrou expansão de 3,8% sobre o mesmo período em 2005. Segundo a EPE, a evolução no mês de agosto foi influenciada pelos mercados das regiões norte e sul, que cresceram 9% e 5%, respectivamente.

A classe comercial, que representa 15,2% da eletricidade demandada no país, teve alta acima da média nacional, com taxa de 6,4%. O destaque foi para a região sudeste, que cresceu 7,1% sobre agosto de 2005.

A classe residencial, com representação de 23,9% do faturamento nacional, elevou em 3,4% o consumo ante o mesmo mês do ano passado. A região sudeste apresentou tendência de alta, com crescimento de 3,7%, enquanto o centro-oeste registrou demanda 6,1% superior.

A EPE informou também que, ao final de agosto, o número de unidades consumidoras residenciais atendidas pelos agentes distribuidores alcançou o total de 49,8 milhões, com crescimento de 4,1% ante agosto de 2005. O aumento líquido de contas residenciais no período de um ano totalizou 1,9 milhão, indicando uma média de 163 mil novas ligações por mês.