Rio de Janeiro – O consumo de gás natural de janeiro a maio manteve uma média de 38,6 milhões de metros cúbicos diários, 7% superior ao de igual período do ano passado, se for desconsiderado o mercado termoelétrico. Levando-se em conta o consumo do setor térmico, porém, o consumo ficou 6,6% inferior ao mesmo período de 2006, já que o gás destinado às usinas térmicas foi reduzido em 52,73%, em razão da situação hidrológica favorável.

Os dados foram divulgados pela Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás).

Os números da Abegás indicam que o consumo nacional do segmento industrial, que corresponde a 66% do mercado, chegou em maio 2007 a 25,9 milhões metros cúbicos por dia, representando um aumento de 6,9% em relação ao mês de abril.

Os setores residencial e comercial apresentaram, respectivamente, crescimento de 14,9% e 9,7% de abril para maio. Já o segmento de co-geração consumiu 1,7 milhão de metros cúbicos por dia, 1,24% a mais que em abril.

De acordo com a Abegás, o menor acionamento das térmicas reduziu o consumo de gás para o segmento elétrico. As termelétricas consumiram 2,6 milhões de metros cúbicos por dia de gás natural em maio, enquanto no mesmo mês do ano passado a média diária foi de 6,2 milhões de metros cúbicos.

Outro setor a apresentar retração no consumo de gás foi o automotivo. O volume comercializado do gás natural veicular (GNV) ficou em 6,9 milhões de metros cúbicos por dia, queda de 0,48% em relação a abril. Porém, se comparado com o mesmo período do ano anterior, os números apresentam um crescimento de 12,9%.

De acordo com a Abegás, 5% dos veículos do país são abastecidos com gás.