Uma venda de ações estimada em cerca de US$ 500 milhões poderá destravar mais um lance na consolidação do setor de telecomunicações no País. Os fundos de pensão Previ, Petros e Funcef negociam, juntamente com o Citibank, a compra dos 38% que a Telecom Italia tem na holding Solpart, que controla, indiretamente, a Brasil Telecom (BrT). Os fundos e o Citibank já são acionistas da operadora.

Os entendimentos estão em curso há quatro meses, segundo fontes. Caso se concretize, o negócio poderá representar mais um passo numa eventual fusão entre a Brasil Telecom e o Grupo Oi (antiga Telemar), do qual os fundos são acionistas.

Ontem, apesar da queda de 0,01% da Bolsa de Valores de São Paulo as ações preferenciais da operadora do Grupo Oi subiram 2,25%. Segundo o analista da ABN Amro Real Corretora, Alex Pardellas, a possibilidade de os controladores da Telemar ampliarem os valores da oferta pública de compra de ações, prevista para este mês, e os rumores de uma fusão com a BrT podem ter motivado a alta. No mesmo dia, as ações preferenciais da Brasil Telecom subiram 2,85%.

O preço das ações também foi influenciado pelas informações que a Portugal Telecom pode participar de uma eventual fusão entre as duas empresas. A PT está emitindo bônus de 750 milhões de euros. Segundo analistas financeiros, o dinheiro poderia ser usado em fusões e aquisições no Brasil. A PT controla, com a Telefónica, a operadora de celulares Vivo.