Foto: Chuniti Kawamura

João Paulo Koslovski: faturamento do setor deve chegar aos R$ 18 bilhões.

As cooperativas do Estado vão investir nos próximos doze meses um total de R$ 1,27 bilhão. A informação foi dada ontem, em Curitiba, pelo presidente do Sistema Ocepar – Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná, João Paulo Kolovski. ?O valor é 30% superior ao investido no ano passado. Os recursos devem ser aplicados principalmente na ampliação e no aprimoramento dos produtos oferecidos pelas cooperativas?, disse ele. Atualmente, o Paraná tem 228 cooperativas, que congregam 407.334 cooperados.

A previsão é de que, este ano, o faturamento das cooperativas seja de R$ 18 bilhões. Um pouco superior ao de 2006, que foi de R$ 16,5 bilhões. Com os novos investimentos, também existe a estimativa de que sejam criados 15 mil novos empregos diretos e indiretos no setor, que hoje possibilita 773 mil postos de trabalho e realiza investimentos de cerca de R$ 2 bilhões na área social.

Segundo a Ocepar, os aportes mais significativos das cooperativas serão destinados ao setor pecuário, que irá receber 36% dos investimentos totais. O setor agroindustrial de carnes (frango e suínos) terá investimento de R$ 305.470,00. Já o setor de lácteos e de fabricação de rações irá receber R$ 53.195,00. O segmento agrícola – que envolve estruturas de armazenagem, recebimento de grãos e agroindústria, entre outras coisas – ficará com 23% do total do montante.

Em relação a anos anteriores, o setor sucroalcooleiro terá uma maior participação. Nesta área, serão investidos, até o final deste ano, R$ 160 milhões (no ano passado, foram cerca de R$ 46 milhões). O dinheiro será utilizado principalmente na construção de novas usinas e no aumento das áreas de plantio. O presidente da Cofercatu (Cooperativa Agroindustrial de Porecatu), que trabalha com a produção de álcool e açúcar, José Otaviano de Oliveira Ribeiro, comemora.

?O setor de açúcar está um pouco estagnado, mas temos muitas boas perspectivas em relação ao álcool. Isto acontece em função da mudança da matriz energética para os biocombustíveis. O Brasil é o país que tem a tecnologia mais preparada para a produção desta matriz, o que traz perspectivas de novos negócios e crescimento?, comentou. A vantagem do Brasil em relação a outros países no que diz respeito ao biocombustível está na produção da cana-de-açúcar, sendo que a fabricação a partir de milho, beterraba e outros produtos é considerada bem mais cara.

Ainda em relação aos investimentos, também receberão recursos o setor de supermercados; a área administrativa, de informática, instalação e automação; e o setor de logística, reflorestamento e coogeração de energia. Estes receberão, no total, R$ 110.600,00.

Prêmio

Na mesma oportunidade, a Ocepar anunciou a realização de mais uma edição do prêmio de jornalismo da entidade. Serão premiadas reportagens publicadas em jornal, rádio e televisão que enfoquem o cooperativismo e a responsabilidade social.