A movimentação de carga geral pelo Porto de Paranaguá, de janeiro até o dia 13 de maio, está sendo superior em comparação ao mesmo período do ano passado. A informação é do superintendente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA), Eduardo Requião.

No acumulado do ano, o Porto de Paranaguá movimentou 1.484.867 toneladas em 2003, contra 1.423.210 em 2002, uma diferença de mais de 61 mil toneladas e que representa uma variação de 4,33% positiva para 2003.

Os resultados obtidos com a movimentação de carga geral é resultado, conforme afirmou o superintendente, da democratização das instalações da APPA, “que deverá resultar em um ?Corredor de Carga Geral? , semelhante ao ?Corredor de Exportação? já existente no porto.

Destaque

Composto por produtos como café, algodão, papel e congelados, o setor de carga geral tem se destacado pela exportação de madeira. Só em maio deste ano foram embarcadas 54.123 toneladas, cerca de 10 mil toneladas a mais em comparação a maio do ano passado. O aumento na movimentação de madeira é resultado do bom preço praticado no mercado internacional e que tem alavancado o setor madeireiro. De janeiro até agora, o Porto de Paranaguá embarcou 467.738 toneladas de madeira, contra 396.577 toneladas no mesmo período de 2002, um aumento de 17,94% e que reflete a tendência do mercado internacional.

As exportações de couro e cerâmicas também demonstram como vem sendo a movimentação de carga geral pelo Porto de Paranaguá. No acumulado do ano, os embarques de couro alcançaram aumento de 45,43%. São 10.413 toneladas exportadas de 1.º de janeiro até o dia 13 de maio, contra 7.160 toneladas em igual período de 2002.

Os embarques de cerâmicas no acumulado de 2003 registraram aumento 21,49%. São 7.735 toneladas em 2003 contra 6.367 toneladas em 2002. A valorização do euro está beneficiando as exportações brasileiras de revestimentos cerâmicos, que em 2002 alcançaram 55,6 milhões de metros quadrados. Este patamar é 20% maior em relação a 2001, segundo dados preliminares da Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica (Anfacer).

Por sua vez, os congelados sofreram queda de 13% nas exportações, devido à guerra no Iraque e às restrições fitossanitárias impostas pela Rússia. Enquanto em 2002, de janeiro a 13 de maio, foram embarcadas mais de 183 mil toneladas, neste ano, em igual período, o volume é de quase 160 mil toneladas.