Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), elaborada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio-PR), aponta aumento no número de consumidores endividados no Paraná.

Em março, 88,8% das famílias estão com algum tipo de dívida, ante 87,1% em fevereiro. O nível de comprometimento financeiro é maior entre aqueles que ganham mais de dez salários mínimos, com 25%. Já entre os entrevistados com renda abaixo desse patamar, 13% se declaram muito endividados.

No entanto, a inadimplência é mais elevada nas classes C, D e E, que apresentam 32% de famílias com contas em atraso e destas, 45,4% dizem que não conseguirão quitar os débitos. Nas camadas A e B, 14,8% dos consumidores possuem dívidas atrasadas e 16,7% não terão condições de pagá-las.

Grande parte dos consumidores, 71,1%, possui de 11% a 50% da renda familiar comprometida com dívidas mensais, principalmente no cartão de crédito (68,2%), financiamento do carro (13,9%) e da casa (7,1%).

A pesquisa revela que o cartão de crédito é mais utilizado pelos consumidores com renda superior a dez salários mínimos, concentrando 74,1% dos parcelamentos. Nas famílias com rendimento inferior a dez salários, 66,9% das compras são parceladas com o cartão de crédito.

O prazo médio de parcelamento das contas é de 7,6 meses, com pequena variação entre as faixas salariais. Porém, o tempo do atraso no pagamento é maior nas famílias com renda de até 10 salários mínimos e fica na média de 63 dias. Esse prazo cai para 41,3 dias entre aqueles que recebem acima de 10 salários.

Metodologia

A pesquisa ouviu 500 famílias nos 10 últimos dias de fevereiro na cidade de Curitiba.