A parcela de consumidores brasileiros comprometida com dívidas nos próximos meses cresceu oito pontos percentuais na passagem do terceiro para o quatro trimestre do ano passado e chegou a 31%, de acordo com a pesquisa Perfil do Inadimplente, realizada pela Boa Vista Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC).

Na passagem do terceiro para o quatro trimestre cresceu de 19% para 23% o total de inadimplentes que possuem mais de 50% da renda comprometida com o pagamento de dívidas. Já a parcela dos consumidores com comprometimento entre 25% a 50% caiu de 33% para 30% no período. E o número de endividados com a renda familiar comprometida em até 25% ficou ligeiramente menor, de 48% para 47%.

Segundo o levantamento, no quatro trimestre, 42% dos consumidores disseram estar pouco endividados e 25% afirmaram estar muito endividados. A parcela dos “mais ou menos endividados” ficou em 33%.

O desemprego foi apontado por 36% dos entrevistados para justificar a inadimplência. A segunda razão foi o descontrole financeiro, com 28% das menções. Em seguida aparece o empréstimo do nome a terceiros (12%).

A pesquisa apurou ainda que 95% dos inadimplentes possuem dívidas com atraso superior a 90 dias. A aquisição de móveis, eletrodomésticos e eletrônicos foi a razão da inadimplência para 19% dos entrevistados, mesmo porcentual que obteve o item pagamento de contas diversas (condomínio, aluguel, conta de celular e outros serviços).

Otimismo

Apesar do contexto de relativa instabilidade, e desaquecimento do mercado de trabalho e menor concessão de crédito, a pesquisa mostrou que cresceu de 83% para 90% a parcela de consumidores que estão otimistas em relação aos próximos 12 meses.

O otimismo do consumidor reflete na intenção dos consumidores em realizarem novas compras após quitarem as dívidas. De acordo com a pesquisa 32% pretendem realizar novas compras – aumento de 5 pontos porcentuais em comparação com a pesquisa anterior.