Foto: Aliocha Maurício
 

Pesquisa mostra ranking preocupante.

O Paraná é o sétimo no ranking nacional do trabalho infantil, atrás de São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Ceará, Maranhão e Rio Grande do Sul.

Das 2,407 milhões de pessoas com 5 a 17 anos de idade no Estado, 318 mil (13,2%) estavam ocupadas em 2006 – 203 mil homens e 115 mil mulheres. Isso significa 6,2% dos menores que trabalhavam no País.

Entre elas, 76 mil com idade entre 5 e 13 anos, o que representa 4,5% da população estadual nessa faixa etária. Outras 242 mil com 14 a 17 anos de idade estavam no mercado de trabalho, o que equivale a 33% dos adolescentes nessa faixa etária.

Entre os 318 mil trabalhadores infantis paranaenses, 58 mil (18%) não freqüentavam a escola; enquanto entre as 2,089 milhões de crianças e adolescentes que não estavam no mercado de trabalho, 156 mil (7,4%) não estudavam. A maior parte dos trabalhadores mirins no Estado – 117 mil – se dedicava a atividades agrícolas. Mas apenas 55% dos menores ocupados (175 mil) recebiam remuneração pelo trabalho. Dentre estes, 117 mil ganhavam menos de um salário mínimo e 57 mil recebiam um salário mínimo ou mais. 143 mil trabalhavam sem receber rendimento.

No Paraná, 51% das crianças e jovens entre 5 e 17 anos (1,229 milhão de pessoas) exerciam afazeres domésticos. Entre as 318 mil ocupadas, o índice é maior: 65% ajudava nas tarefas de casa. Já entre as 2,089 milhões de não-ocupadas, a maior parte (51%, ou 1,068 milhão) não colaborava nas atividades domésticas.