São Paulo

(AE) – A forte retração nas importações argentinas é a principal responsável pela queda média diária das exportações brasileiras de manufaturados, responsáveis por 45% da redução das vendas externas em maio, em relação ao mesmo mês de 2001.

A avaliação é da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em seu informe Comércio Exterior em Perspectiva, divulgado hoje (14). De acordo com a entidade, a contração da demanda externa e os preços internacionais deprimidos, que afetam principalmente as vendas de produtos básicos e semimanufaturados, são os principais componentes de um quadro que vem se mostrando adverso ao desempenho exportador do País.

No informe, a CNI diz ainda que as barreiras impostas às importações de aço, o aumento substancial dos níveis de subsídios concedidos à agricultura norte-americana e a introdução de novas restrições à Trade Promotion Authority (TPA) tendem a estreitar a base de apoio ao projeto de liberalização comercial hemisférica e a incentivar a busca de acordos preferenciais concorrentes ao projeto da Área de Livre Comércio das Américas (Alca), além de fortalecer o espírito anti-Alca em muitos países latino-americanos.

Para a CNI, a reorientação da política comercial norte-americana mostra claramente a linha protecionista e o unilateralismo da administração Bush.