A sucessão de recordes de emprego tanto no Paraná como em nível nacional pode estar com os dias contados. Os motivos são a elevação da taxa básica de juros (Selic), desde abril, e a crise financeira dos Estados Unidos -que se agravou esta semana e está respingando mundo afora.

A opinião é do economista Cid Cordeiro, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, regional Paraná (Dieese-PR). “A crise financeira ainda não afetou o mercado de trabalho, mas vai afetar a partir do início de 2009”, prevê o economista.

Segundo ele, a elevação da taxa de juros iria, sozinha, desacelerar a atividade econômica brasileira a partir do ano que vem. “A crise financeira vai acentuar essa desaceleração”, disse, acrescentando que a instabilidade no mercado financeiro provoca incertezas, e as decisões de investimento são adiadas.

Para o economista, mesmo que o pacote de ajuda financeira seja aprovado esta semana nos Estados Unidos, as conseqüências não poderão ser evitadas. “A crise está dada e os efeitos estarão presentes na economia em 2009”, sentenciou.

Entre os setores que devem registrar desaceleração nas contratações em 2009 estão os de bens duráveis e semiduráveis, como veículos e eletrodomésticos. É que com menos crédito no mercado, a compra desses bens pode ficar mais difícil.

Ranking

O Paraná mantém oito cidades entre as 100 que mais geraram empregos formais no Brasil, entre janeiro e agosto deste ano, segundo o Ministério do Trabalho. O destaque foi Cascavel (região oeste), que já havia saltado da 102.ª para 87.ª posição na listagem que analisava os postos de trabalho criados nos primeiros sete meses do ano. Agora, o município ocupa o 83.º lugar, com 3.306 pessoas contratadas em oito meses.

A cidade paranaense mais bem colocada foi Curitiba, que ocupou a quarta posição no ranking nacional, com 29.510 vagas. Maringá, no noroeste, repetiu o bom desempenho e continuou em 25.º lugar no ranking, com 8.646 pessoas contratadas. Londrina (8.392 novos empregos com carteira assinada), subiu três posições e ficou em 29.º lugar.

São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), ocupa a 50.º colocação, com 5.550 postos de trabalho abertos. Araucária, também na RMC, surge em 80.º lugar e saldo de 3.365 contratações no período.

Os pequenos municípios de Paraíso do Norte (noroeste) e Bandeirantes (norte), ambos com menos de 40 mil habitantes, fecham a lista na 93.ª e 99.ª posições, com 3.110 e 2.956 empregos, respectivamente. Entre janeiro e agosto, 137,5 mil pessoas foram contratadas no Paraná com carteira assinada.