Congressistas e funcionários do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) estão pressionando para que o presidente dos EUA, Barack Obama, tome alguma atitude para ampliar as exportações de gás natural para a Ucrânia e, assim, enfraquecer o controle da Rússia sobre o país.

Os EUA possuem uma lei que cria barreiras regulatórias para a exportação de gás natural a países que não são parceiros de livre comércio. No entanto, autoridades dizem que o atual contexto na Europa pode mudar essa situação. “Eu certamente saudaria uma consulta em termos de como prosseguir. Essa é obviamente uma situação muito importante e muito séria”, disse o Secretário de Energia dos EUA, Ernest Moniz, durante conferência do setor em Houston.

Para permitir esse aumento nas exportações, o DoE tem que determinar que o beneficiário do gás é de interesse nacional dos EUA. Nos últimos anos, o departamento aprovou seis pedidos, de mais de 20 que foram enviados.

Cerca de 70% do fornecimento de gás natural da Ucrânia é proveniente da Rússia. O país também é um ponto estratégico para distribuir o gás russo para mais de uma dezena de países europeus. Segundo a estatal russa Gazprom, a Rússia fornece cerca de 30% do gás consumido pela União Europeia, e metade desse volume passa por gasodutos na Ucrânia.

Com a produção do gás de xisto, os EUA estão produzindo gás natural em níveis que não eram vistos desde meados de 1990. Neste ano, os EUA estão no caminho para superar a Rússia como o maior produtor de gás natural do mundo.

O presidente da Câmara dos Representantes, o republicano John Boehner, declarou ontem que, “se o presidente quisesse fortalecer sua posição e ajudar a proteger os aliados na região, ele pegaria o telefone e usaria sua caneta para fazer com que o DoE aprovasse os pedidos para essas exportações”.

As cobranças mais fortes vêm de republicanos, mas alguns democratas também estão pedindo pelo afrouxamento das regras. “Eu trarei isso à tona. Está claro que muito dos conflitos e estresses econômicos na Europa e na região ao redor é relacionado à energia”, disse a senadora Mary Landrieu, que preside o Comitê de Energia e Recursos Naturais do Senado.

Contudo, alguns democratas, incluindo os senadores Edward Markey e Debbie Stabenow, demonstraram preocupação com exportar grandes volumes e muito rápido. Assim como indústrias que usam o gás natural como estoques, como a Dow Chemical, eles estão preocupados que as exportações poderiam reduzir a vantagem competitiva dos EUA. Fonte: Dow Jones Newswires.