A Serasa, empresa de pesquisas, informações e análises econômico-financeiras para apoiar decisões de crédito e negócios e referência mundial no segmento, possui um serviço 24 horas de informações sobre cheques roubados e extraviados, que funciona de segunda a segunda e também nos feriados, em todo o território nacional.

Quem perder o talão de cheques, ou for assaltado, pode entrar em contato com o serviço de informações Recheque, administrado pela Serasa, e registrar, gratuitamente, a ocorrência, a qualquer hora e de qualquer lugar do Brasil, pelo telefone (011) 5591-0137. Criado em agosto de 1992, o Recheque é um sistema inovador para proteção do cheque, que mantém informações sobre cheques sem fundo, cancelados, sustados, roubados e extraviados.

A Serasa torna a informação disponível ao comércio instantaneamente em todo o território nacional. O correntista, quando os bancos reabrirem, precisa procurar sua agência para fazer a sustação dos cheques roubados ou extraviados. Em caso de roubo, é necessário que o correntista apresente ao banco o Boletim de Ocorrência (B.O.), ao fazer a sustação dos cheques.

Cuidados

Para reduzir os riscos por perda ou roubo de cheques, os consumidores devem tomar os seguintes cuidados:

Carregar apenas alguns cheques, necessários aos pagamentos das despesas/compras do dia;

Separar o cheque de qualquer documento pessoal;

Apresentar sempre documentos aos comerciantes. Vale até mesmo exigir que ele verifique sua carteira de identidade. Essa é uma prática que, além de proteger o correntista, ajuda o lojista na identificação de cheques roubados;

Os cheques devem ser sempre nominais e cruzados; nunca ao portador.

Para evitar o recebimento de cheques roubados e extraviados, diminuindo assim os riscos da inadimplência, os comerciantes também devem tomar os seguintes cuidados:

Solicitar carteira de identidade do cliente, comparando a foto com o apresentante. Evitar outro tipo de documento;

Verificar o preenchimento correto do cheque – valor em algarismos e por extenso (reais) e data da emissão (dia, mês e ano);

Não aceitar cheques de terceiros, mesmo acompanhados da carteira de identidade. Com o talão poderá ter sido roubado também o documento de identidade;

Comparar a assinatura do cheque com a do documento. Esta pode ser diferente, mas ajuda na identificação das características grafoscópicas do emitente;

É importante também que os comerciantes consultem, por meio de convênio, diretamente a Serasa ou se utilizem de serviços oferecidos por instituições ligadas à única base de dados que reúne informações sobre cheques sem fundos, roubados e extraviados em todo o Brasil, o Achei-Recheque – Arquivo de Cheques Irregulares – Roubados e Extraviados, da Serasa.

*Mais informações sobre cuidados com cheques estão disponíveis no Guia Serasa de Orientação ao Cidadão – saiba como reduzir o risco de ser vítima da violência, no link

www.serasa.com.br/guiacontraviolencia/index.htm