Curitiba e Região Metropolitana encerraram o mês de março com a 3ª maior inflação do país, de acordo com os dados divulgados nesta quarta-feira (8) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) da capital avançou a 1,69%, ficando atrás apenas de Porto Alegre (1,81%) e Campo Grande (1,79%), todos acima da média nacional (1,32%).

Nos três primeiros meses do ano, o IPCA de Curitiba acumula alta de 4,07%. Já nos últimos 12 meses, a inflação da capital ficou em 8,66%. Em todas as bases de comparação, o índice oficial de preços de Curitiba ficou acima da média nacional.

O índice elevado do IPCA consolidado de março era, de certa forma, esperado, depois que Curitiba registrou a maior alta da prévia da inflação do país, que equivale aos 15 primeiros dias do mês, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15). O índice de variação de março na RMC foi de 1,72% e ficou 0,63% acima da taxa de fevereiro de 1,09%.

Em março, a maior pressão veio do Grupo Habitação, que registrou alta de 7,44% em março. O desempenho negativo foi puxado principalmente pelo reajuste extraordinário da tarifa de energia elétrica residencial aplicado no mês, cujo impacto para os consumidores de Curitiba e região foi de 32,7%.

O segundo grupo com maior aumento de preços foi Alimentação e Bebidas – 1,75%. Vestuário registrou alta de 0,70%, seguido por Saúde e Cuidados Pessoais (0,68%), Despesas Pessoais (0,68%) e Educação (0,45%). Os grupos de Comunicação e Transportes tiveram retração de 1,28% e 0,28% respectivamente.