Curitiba é a cidade brasileira que teve a maior inflação no mês de junho. É o que aponta o Índice Nacional de Preços do Consumidor Amplo (IPCA). Dentre as 11 cidades analisadas, os preços da capital paranaense alcançaram elevação de 0,83%.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a causa foram as elevadas taxas dos alimentos (1,01%), gasolina (4,35%) e álcool (7,47%). Já em âmbito nacional, a média brasileira do IPCA diminuiu em junho, ficando em 0,36%, resultado menor que o registrado em maio, quando o índice chegou a 0,47%.

Com o resultado de 0,36%, o IPCA do primeiro semestre do ano fechou em 2,57%, também abaixo da taxa de 3,64% referente ao mesmo período de 2008 e também menor que o da capital (3,09%).

Nos últimos 12 meses, o índice ficou em 4,80%, também abaixo dos 12 meses imediatamente anteriores (5,20%). Em junho de 2008, a taxa havia ficado em 0,74%.

Segundo a pesquisa, o vilão do orçamento do brasileiro no mês passado foi o leite pasteurizado, que registrou uma inflação de 12,10%. Essa foi a mais alta entre os 12 itens de alimentação analisados pelo IBGE em junho.

Já no acumulado do ano, o açúcar cristal foi o produto que teve a maior variação de preços (35,99%). No entanto, o leite, que manteve seu índice alto durante todo o primeiro semestre desse ano, chegou a uma variação de 28,88%.

Para a coordenadora de índices de preços do IBGE, Eulina Nunes dos Santos, a alta do leite longa vida no primeiro semestre de 2009 superou os resultados acumulados em anos inteiros a partir de 1995, já com vigência da moeda atual.

“Ainda não está claro qual o real motivo da forte elevação dos preços do leite. O produto está em período de entressafra, mas esse fator não justificaria um aumento tão elevado”, relaciona.

Além do leite, a coordenadora listou outros 17 produtos que mais contribuíram para a alta de preços nos seis primeiros meses do ano no IPCA. No ranking, abaixo do leite, figuram os colégios (5,16%); cigarro (27%) e empregado doméstico (6,12%).

INPC

Na mesma pesquisa, o IBGE divulgou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), cujo índice nacional de junho chegou a 0,42%, ficando também abaixo do resultado de maio (0,60%).

Na análise regional, Curitiba foi a segunda cidade com maior variação do INPC, chegando ao índice de 0,84%, maior que o registrado em maio (0,37%). Fortaleza foi a região que apresentou o mais elevado resultado do mês (0,99%).

IPI

De acordo com o IBGE, os ganhos para o bolso do consumidor com a redução do imposto para automóveis e eletrodomésticos foram anulados pelo desembolso maior com o reajuste de preços de produtos para os quais as taxas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) foram elevadas.