O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) que mede a inflação em Curitiba foi negativo em 0,06% no mês de junho em relação a maio. O acumulado do ano está em 2,17% e dos últimos 12 meses (de julho de 2009 a junho de 2010) em 3,58%. A queda nos preços de alguns alimentos e nos combustíveis foi o que mais influenciou a deflação. O cálculo foi realizado pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento econômico e Social (Ipardes) e divulgado na terça-feira (6).

O grupo Alimentos e Bebidas apresentou queda de 1,48%. Os principais itens foram: batata-inglesa (-34,83%), leite pasteurizado (-5,13%), açúcar refinado (-12,51%), almoço e jantar fora de casa (-0,56%), café em pó (-2,65%), tomate (-8,62%) e alcatra bovina (-4,22%).

O segundo grupo a influenciar a baixa no índice geral foi Transporte e Comunicação com variação negativa de -0,74%. Os principais destaques para este resultado vieram de: álcool (etanol) (-9,42%), gasolina (-2,66%), automóvel de passeio nacional zero km (-1,11%) e seguro voluntário de veículo (-3,68%).

Impedindo que o índice fosse ainda menor, o Vestuário aumentou 1,72% com alta em: camisa masculina (7,23%), jóias (6,77%), tênis para adulto (3,36%) e saia e bermuda feminina (12,22%). Com queda de preços no mês apenas blusa feminina apareceu com destaque (-4,23%).

Com variação de 0,78%, o grupo Habitação continua com elevação de preços: altas de 0,85% em aluguel de moradia e 2,64% em condomínio. Em seguida, o grupo Despesas Pessoais com destaques em: cigarros (4,07%), casas noturnas (4,05%), excursão turística (4,63%), empregada doméstica (1,45%) e diarista (1,32%).

No grupo Saúde e Cuidados Pessoais, o aumento de 3,14% em plano de saúde foi o maior destaque com alta em todo o IPC. Também com aumento, Artigos de Residência subiu 0,38%.

Para o cálculo da inflação, o Ipardes coleta, mensalmente, em Curitiba, cerca de 60 mil preços de produtos consumidos por famílias que ganhavam de R$ 510,00 a R$ 20.400,00.