Aliocha Maurício / GPP
Aliocha Maurício / GPP

Custo da casa própria já
subiu quase 8% neste mês.

O Custo Unitário Básico (CUB) da construção civil calculado pelo Sinduscon-PR (Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Paraná) foi reajustado em 0,05% no mês de agosto. O percentual é maior do que a inflação de 0,65% medida pelo IGP-M (Índice Geral de Preços de Mercado), da Fundação Getúlio Vargas que, pelo quarto mês consecutivo, apresentou deflação. No ano, o custo da construção apresenta variação acumulada de 5,95%. E nos últimos doze meses, o CUB-PR aumentou 7,94% enquanto o IGP-M ficou em 3,43%.

Os materiais pesquisados pelo Sinduscon-PR para elaboração do CUB-PR tiveram aumento médio de 0,11% em relação ao mês de julho. No ano, acumulam alta de 4,57% e em doze meses 8,98%.

Refletindo a inflação em queda e a baixa demanda do setor da construção, a maioria dos 40 materiais pesquisados pelo Sinduscon-PR manteve preços estáveis no mês de agosto. Alguns tiveram redução de preço como o vidro e a tinta latex. Outros doze produtos tiveram aumentos no mês de agosto: eletroduto de PVC (5,93%); azulejo branco extra 15 x 15 cm (4,80%); porta lisa para pintura (4,17%); dobradiça em ferro niquelado (4%), entre outros.

A pedra brita, areia para concreto e tijolo de 8 furos encabeçam o ranking dos maiores aumentos de preço no ano, informa o presidente do Sinduscon-PR, Júlio Araujo Filho. A brita subiu 3,57% no mês de agosto e acumula alta de 23,40% nos oito meses do ano. A areia também acumula reajuste de 16% no ano. De acordo com a pesquisa feita pelo sindicato, no mês de agosto, os construtores compraram o produto com reajustes de até 30% sobre os valores pagos no mês anterior. O tijolo de 8 furos não subiu no mês de agosto, mas já registra aumento de 14,29% no ano.

CUB determina custos

Divulgado mensalmente pelos sindicatos da construção, o Custo Unitário Básico (CUB) é calculado segundo a NBR 12.7821, da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Elaborado de acordo com diversos projetos-padrão, o CUB determina o custo da obra para fins de cumprimento da lei de incorporações e tem fins exclusivamente comparativos à realidade dos custos. Atualmente, a variação percentual do CUB tem servido como mecanismo de reajuste de preços em contratos de compra de imóveis em construção e até mesmo como índice setorial.

O custo médio representativo da construção habitacional (padrão H8-2N, para imóveis em prédio de oito pavimentos, dois quartos e padrão normal de acabamento), computados apenas materiais e mão-de-obra, passou para R$ 842,65 o metro quadrado no mês de agosto. Neste valor não estão considerados diversos itens como o projeto, obras de fundação, elevadores, urbanização, impostos e taxas, remuneração do construtor, entre outros.