Os gastos tanto com mão de obra quanto com material de construção subiram menos e o Índice Nacional de Custo da Construção-M (INCC-M) desacelerou para 0,20% na segunda prévia de março do IGP-M, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). No segundo decêndio de fevereiro, o INCC-M tinha registrado alta de 0,98%.

O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços subiu 0,35% na segunda prévia deste mês, após aumento de 0,70% na mesma prévia do mês anterior. Já o índice que representa o custo da Mão de Obra diminuiu a alta para 0,07% no segundo decêndio de março, após um aumento de 1,23% no segundo decêndio de fevereiro.

As maiores influências positivas para o resultado do INCC-M na segunda prévia de março foram de tubos e conexões de ferro e aço (1,77%), argamassa (0,89%), refeição pronta no local de trabalho (0,70%), metais para instalações hidráulicas (0,56%) e ajudante especializado (0,07%). Na direção oposta, ficaram mais baratas as despesas com elevador (-0,08%), cimento portland comum (-0,06%), madeira para telhados (-0,04%), taco/tábua corrida para assoalho (-0,17%) e aluguel de máquinas e equipamentos (-0,01%).