O governo central (que reúne as contas do Tesouro Nacional, da Previdência Social e do Banco Central) registrou em junho um déficit primário de R$ 643,8 milhões. O resultado primário não leva em conta as despesas com juros. O déficit de junho foi mais que o dobro dos R$ 302,9 milhões registrado em maio, um crescimento de 112,5%. Em junho do ano passado, o governo central havia registrado superávit primário de R$ 7,92 bilhões.

Com o resultado de junho, o superávit primário do governo central acumulado no primeiro semestre deste ano recuou para R$ 18,563 bilhões, o equivalente a 1,28% do Produto Interno Bruto (PIB). De janeiro a junho de 2008, o saldo primário era positivo em R$ 61,378 bilhões (4,40% do PIB). Dessa forma, o esforço fiscal do governo central teve uma queda de R$ 42,815 bilhões no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado.

No resultado de junho, o Tesouro Nacional teve superávit primário de R$ 2,764 bilhões, a Previdência Social teve déficit de R$ 3,381 bilhões e o Banco Central teve déficit de R$ 26,3 milhões. No acumulado do ano, o Tesouro Nacional tem superávit de R$ 40,062 bilhões, a Previdência Social registra déficit de R$ 21,276 bilhões e o Banco Central, déficit de R$ 222,8 milhões.

Despesas e receitas

As despesas cresceram 17,1% no primeiro semestre deste ano ante igual período do ano passado, totalizando R$ 258,071 bilhões. Esse ritmo de crescimento foi bem superior aos 9,7% registrados no primeiro semestre de 2008 ante o mesmo período em 2007. As despesas de custeio aumentaram 22,8% no primeiro semestre de 2009 e as despesas com pessoal tiveram expansão de 21% na comparação com o mesmo período de 2008. Já as despesas com investimento tiveram alta de 21,8% nos primeiros seis meses deste ano ante o mesmo período do ano passado. As despesas com as obras do Projeto Piloto de Investimento (PPI) tiveram elevação de 42%, totalizando R$ 3,866 bilhões no primeiro semestre deste ano.

Do lado das receitas, houve queda de 1,1% no período de janeiro e junho de 2009, para R$ 341,298 bilhões, ante R$ 344,945 bilhões no primeiro semestre de 2008. As transferências para Estados e municípios subiram 2,3% de janeiro a junho deste ano, totalizando R$ 64,664 bilhões. Com isso, a receita líquida do governo central caiu 1,8% no primeiro semestre ante o mesmo período do ano passado, totalizando R$ 276,634 bilhões.

Piora

O resultado das contas do governo central no primeiro semestre, divulgado hoje pelo Tesouro Nacional, mostra uma deterioração da política de superávits primários sucessivos, acumulado nos últimos anos, durante o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em junho, pela terceira vez no semestre, as contas apresentaram déficit. Em fevereiro e maio os resultados foram deficitários. No segundo mês do ano, o governo apresentou um déficit de R$ 1,116 bilhão e, em maio, de R$ 302,9 milhões.

Enquanto as receitas estão caindo 1,1% no primeiro semestre, a expansão das despesas é quase o dobro do ritmo do ano passado: 17,1%. Em 2008, as receitas estavam crescendo 16,7% no primeiro semestre em relação a 2007 e as despesas cresceram 9,7%. As despesas de pessoal, de janeiro a junho deste ano, crescem num ritmo ainda maior: 21%. E as de custeio e capital, 19,5%.