A demanda global por viagens aéreas cresceu 6,9% em maio, na comparação com o mesmo mês do ano passado, informou a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês), que destacou que a taxa de aumento representa uma aceleração frente a abril, quando foi registrada uma alta de 5,7% frente igual período de 2014.

“Os resultados de maio confirmam que a demanda por conectividade permanece robusta, mas há possibilidade de nuvens de tempestade se formarem no horizonte”, disse o diretor geral da Iata, Tony Tyler, em nota. De acordo com ele, a crise financeira na Grécia e a recente fraqueza no comércio regional na Ásia-Pacífico podem atenuar o desempenho desses mercados nos próximos meses.

A maior expansão foi observada em maio na demanda internacional, que cresceu 7,1%, enquanto a oferta expandiu-se 6,7%, levando a taxa de ocupação das aeronaves nos voos entre diferente países a 78,4%. Já o tráfego doméstico aumentou 6,6% globalmente, enquanto a capacidade cresceu 6,2%, propiciando uma taxa de ocupação de 81%.

Nos mercados domésticos, as maiores taxas de aumento da demanda foram observadas na Índia (+18,2%) e na China (+18,2%), enquanto os piores desempenhos, entre os países destacados pela Iata, ficaram com o Brasil (+0,8%) e a Austrália (-1,3%).

No segmento internacional, mais uma vez chamou a atenção o desempenho das companhias aéreas do Oriente Médio, que registraram uma expansão do tráfego de 14% frente a maio de 2014, seguida das empresas da região Ásia-Pacífico, com alta de 9,4%. Já as empresas latino-americanas apresentaram um aumento de 7,4%. “Os volumes de comércio regional seguem melhorando, o que impulsionou os negócios relacionados as viagens internacionais, apesar da fraqueza na Argentina e no Brasil”, disse a entidade.

A Iata representa cerca de 260 companhias aéreas, que respondem por 83% do tráfego aéreo global.