Os apaixonados estão fazendo a alegria do comércio, que já está faturando mais neste mês em função da Copa do Mundo. Porém o Dia dos Namorados promete aquecer o consumo em mais setores da economia, de floriculturas a motéis, passando por lojas de departamentos e restaurantes de luxo.

“As vendas são intensificadas por conta de valores até R$ 100 por presente, embora a média fique entre R$ 30 e R$ 50”, comenta Vamberto Santana, consultor econômico da Fecomércio/PR (Federação do Comércio do Paraná). “Outra possibilidade de gastos adicionais, tanto para jovens quanto para casados, são almoços ou jantares em restaurantes, beneficiando também casas noturnas e motéis”, cita. A Fecomércio/PR projeta crescimento de 5% nas vendas do Dia dos Namorados em relação à comemoração do ano passado.

Apesar do incremento previsto, Santana salienta que nesse ano estão existindo despesas não costumeiras em maio devido à Copa, com a compra de “apetrechos” verde-amarelo, como material esportivo, roupas, alimentos e bebidas. De janeiro a abril, as vendas do comércio na Grande Curitiba acumulam queda de 3,63% em relação ao mesmo período do ano passado, conforme pesquisa da Fecomércio/PR. “A expectativa é de número positivo no acumulado de janeiro a maio e subida no bimestre maio/junho. As vendas cresceram bem com o Dia das Mães, estão crescendo pela Copa e agora com o Dia dos Namorados”, observa.

Promoções

O Shopping Crystal investiu R$ 400 mil em campanha publicitária para a data, tendo a atriz Carolina Ferraz como âncora. Para atrair clientes, o shopping está sorteando um automóvel Polo da VW, na cor vermelha. Cada R$ 30 em compras dá direito a um cupom. “É uma forma de alavancar as vendas”, explica a gerente de marketing Lylian Vargas. O concurso dura o mês inteiro.

Em relação ao Dia dos Namorados, a previsão é crescimento de 12% nas vendas comparadas à data de 2001. Porém pelos números do último final de semana, Lylian aposta em expansão de 20% no faturamento. O Crystal espera público diário de 19 mil pessoas, ante a média normal de 15 mil. “A procura não é só por presentes menores, mas por jóias também”, relata a gerente.

“Os eternos namorados -os casados – movimentam bastante o setor de jóias”, confirma Élcio Ribeiro, vice-presidente de Serviços da Associação Comercial do Paraná (ACP). Pesquisa feita pela entidade aponta aumento de 10% nas vendas dos primeiros dias de maio em relação a igual período de 2001. “Não conseguimos separar o que é Copa e o que é Dia dos Namorados, porque o que mais tem saído são confecções”, informa Ribeiro. O levantamento mostra ainda ampliação das vendas de televisores.

O diretor do Shopping Novo Batel, Luiz Celso Branco, também está otimista com a data. “O comércio não está lá essas coisas, falta dinheiro no mercado. Mas o pessoal está decorando as lojas e fazendo promoção em alguns artigos. Tudo isso chama o cliente”, opina, projetando incremento de 13 a 15% nas vendas comparadas ao último Dia dos Namorados. Para atrair público, o Novo Batel está com campanha publicitária em rádios, jornais, banners e cartazes.

Já o Shopping Curitiba, que estima vendas 15% superiores às de 2001, calcula que 200 mil pessoas passarão pelo local de sábado até amanhã. Quem for ao Curitiba, mesmo não comprando nada, poderá participar de uma promoção. Na praça de eventos foram montados seis estúdios para os apaixonados gravarem, gratuitamente, mensagens de amor em vídeo e áudio. Os melhores CDs concorrerão a uma viagem para Cancun com direito a acompanhante.

Gastos superam o Dia das Mães

Pesquisa feita esta semana entre consumidores do Shopping Curitiba revela que, independente do sexo e idade, os clientes pretendem gastar mais que no Dia das Mães, que é considerada a segunda melhor data para o comércio, perdendo apenas para o Natal.

As meninas de até 18 anos pretendem gastar entre R$ 30,00 e R$ 50,00 num presente. Os produtos preferidos são ursinhos de pelúcia, CD?s, roupa, perfume, maquiagem e acessórios. Já os homens querem desembolsar entre R$ 50,00 e R$ 100,00 e preferem instrumentos musicais, artigos esportivos, chocolate, CD?s e relógios.

Os namorados na faixa de 18 a 25 anos também pretendem gastar entre R$ 30,00 e R$ 50,00. Já os casais entre 25 e 40 anos vão desembolsar entre R$ 50,00 e R$ 100,00 e, além de roupas, perfumes, telefones celulares, DVD?s, jóias e sapatos, prevêem um jantar romântico ou até mesmo uma viagem de fim de semana. Os casais de idade acima de 40 anos prevêem gasto médio de R$ 100,00.

Presente diferente

Para quem quer fugir do tradicional buquê de flores, a Engenho Design Floral e Paisagismo, de Curitiba, oferece arranjos a partir de R$ 15. “Criamos arranjos diferenciados dentro do perfil da pessoa e adequado ao que ela quer gastar”, explica a paisagista Jaquelien Daher. Segundo ela, a procura pelos serviços no Dia dos Namorados não é mais forte que no Dia das Mães, “mas tenho sentido que de dois anos para cá houve um retorno desse romantismo, com a procura por flores”, constata. Além de arranjos, a Engenho monta cestas com flores e frutas frescas da estação, custando em média R$ 50. (OP)

Dicas para evitar problemas

“Para quem deixou para comprar o presente do Dia dos Namorados para a última hora também valem as recomendações do PROCON a fim de evitar eventuais problemas,” orienta o coordenador Naim Akel Filho. “As opções são inúmeras, mas o consumidor deve evitar compras por impulso, buscando sempre o presente mais adequado. Flores, roupas, artigos de perfumaria, eletroeletrônicos e CDs são algumas das opções que podem custar caro para quem deixa de pesquisar.”

“Decidido o presente, é essencial que o consumidor fique atento ao valor cobrado tanto à vista quanto a prazo, bem como dos juros praticados no caso do crediário. Nas compras com o cartão de crédito,” explica Akel, “prevalece o preço à vista. Deve ser ainda verificada a veracidade das promoções e ofertas.”

Se a opção for a de presentear com flores, lembre-se que existem diversos tipos, nacionais e importados, e que os preços variam também conforme os arranjos e embalagens e que algumas floriculturas cobram taxas de entrega.

No caso da escolha de roupa, devem constar na etiqueta os dados relativos a composição do tecido, instruções de lavagem e tamanho. É conveniente ficar atento à qualidade do acabamento do tecido e se não há defeito na peça.

Quanto aos artigos de perfumaria, nacionais ou importados, assim como nos demais produtos, a informação no rótulo deve estar em português, especificando peso, volume, data de fabricação, prazo de validade, composição, e dados do fabricante ou importador.

Para os eletroeletrônicos, vale pedir uma demonstração do equipamento. O manual de instruções que acompanha o produto deve estar em português e o certificado de garantia devidamente preenchido.

“Exija sempre a nota fiscal da mercadoria adquirida, que é o ocumento essencial para trocas, garantia e eventuais reclamações,” lembra Akel, “pois, seguindo estas orientações, o consumidor estará evitando futuros problemas. Mas, se eles ocorrerem, poderá fazer a sua reclamação junto ao Procon-PR., pelo telefone 0800-41-1512 ou dirigindo-se à Rua Francisco Torres, 253, Centro, Curitiba, entre 12h30 e18h30.