Após fiscalizações feitas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) na grande Curitiba, o Programa de Monitoramento de Qualidade de Índices de Combustíveis da agência interditou, ontem, uma distribuidora de combustíveis em Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC).

Desde o início do mês, a agência fiscalizou 60 postos na capital, desses, dois apresentaram irregularidades e outros 21 foram autuados por problemas na atualização de cadastro e clonagem de bandeiras.

De acordo com o coordenador de autuação fiscal da ANP, Fernando Martins, a interdição foi consequência de outra fiscalização, feita na semana passada, num posto no bairro Boqueirão, em Curitiba.

“A análise da UFPR (Universidade Federal do Paraná) confirmou que o óleo diesel vendido pela Distribuidora Pelicano não continha a porcentagem de 3% de biodiesel exigida pela agência”, explica o fiscal.

No mesmo local, a ANP verificou irregularidades também no álcool hidratado. “O álcool estava fora da especificação exigida pela agência, pois apresentava impurezas e coloração amarelada”, completa Martins. A equipe de reportagem procurou representantes da distribuidora, mas não foi atendida.

No entanto, mesmo com essas autuações na capital, a adulteração de combustíveis vem caindo, ao longo dos anos, em todo Brasil. Há oito anos, os índices de não-conformidade eram maiores, em média, de 4,9% na gasolina; 9,7% no óleo diesel e 2,9% para o álcool. Atualmente, o Estado, que tem 2.800 postos de combustíveis (390 em Curitiba), está em 12.º lugar no ranking nacional de qualidade de combustíveis.

Os dados foram divulgados ontem, na abertura do ANP Itinerante, que será realizado na capital, no Sesc da Esquina, até a próxima quinta-feira. “A queda no número de adulterações se deve a um trabalho intenso de fiscalização feito pela ANP. O programa, realizado em parceria com instituições de ensino superior, inibe a ilegalidade e reduz as fraudes”, diz o diretor geral da ANP, Haroldo Lima.

Bacia

Outro assunto abordado durante o ANP Itinerante foi relativo à Bacia do Paraná, considerada a maior área sedimentar da América do Sul e uma das maiores do mundo, com 1,1 milhão de quilômetros quadrados.

“Ainda temos um conhecimento bastante precário sobre esta bacia, que pode ser fonte de petróleo e gás. Recentemente, a ANP licitou e assinou contratos para a realização de três tipos de levantamentos no local, dentro de seu Plano Plurianual de Estudos Geológicos e Geofísicos 2007-2011. Queremos aprofundar nossos conhecimentos geológicos na região”. Até 2011, a ANP deve investir cerca de R$ 1 bilhão em estudos sobre 24 bacias sedimentares brasileiras.