A dívida externa da China estava em US$ 443,2 bilhões no fim de março, subindo 3,4% em comparação a dezembro de 2009, quando estava em US$ 428,65 bilhões, e 31,6% acima dos US$ 336,7 bilhões ao final de março de 2009. O valor representa 10% do produto interno bruto anual do país, segundo dados publicados hoje – sinalizando que a situação da dívida externa chinesa é mais saudável do que a de outras grandes economias. As informações foram publicadas no site da Administração Estatal de Comércio Exterior.

Os dados seguem-se ao alerta do Fundo Monetário Internacional, em abril, de que os empréstimos do governo apresentam crescente risco para o sistema financeiro global. A proporção da dívida externa em relação ao PIB é mais baixa do que a de algumas outras grandes economias, aponta Xing Ziqiang, economista da China International Capital Corporation. Segundo ele, a soma das dívidas externa e doméstica da China chega a cerca de 50% do PIB, ainda abaixo da média de 60% das principais nações desenvolvidas e em desenvolvimento.

A dívida soberana dos ministérios sob o Conselho de Estado totalizou US$ 38,4 bilhões no fim de março, acima dos US$ 36,9 bilhões no fim de 2009. A dívida de curto prazo do país era de US$ 276,2 bilhões no fim de março, o que representa 62,3% da dívida externa. O restante refere-se a dívidas de longo e médio prazo.

Os dados da China também indicam que as dívidas denominadas em dólar norte-americano responderam por 70% da dívida externa registrada total no fim de março, 2,24 pontos percentuais acima do fim de 2009. Dívidas denominadas em ienes japoneses representam 11,0%, e dívidas denominadas em euro contam 5,49% do total. As informações são da Dow Jones.