Formada em administração de empresas, Bruna Levitzchi Natal, de 25 anos, trabalha na linha de montagem final de caminhão pesado da Mercedes-Benz, em São Bernardo do Campo. Ex-estagiária da área administrativa da montadora, Bruna trocou o escritório pela produção desde maio do ano passado.

“No começo, foi meio esquisito, porque só trabalhavam homens na linha de produção”, conta ela. “Mas durou pouco, porque logo eu conquistei a confiança deles com o meu trabalho.”

Na semana passada, Bruna participou da primeira aula de sindicalismo prevista no acordo da convenção coletiva assinado pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e as montadoras e fabricantes de autopeças da região, em outubro do ano passado. A Mercedes foi a primeira fabricante a ratificar o acordo, concordando em liberar seus funcionários para um dia de curso.

“A imagem que eu tinha dos sindicatos era associada à greves e a esquerdistas. Agora, eu sei que não é esse bicho de sete cabeças que eu imaginava, e sim uma organização muito bem estruturada. Curti muito conhecer as lutas e tudo o mais”, contou a metalúrgica.