O tom é positivo nas bolsas internacionais nesta terça-feira (21), mas as incertezas continuam e a volatilidade é a aposta de consenso para o dia. Ao longo do dia, investidores vão monitorar o noticiário sobre a crise do crédito americano e devem seguir de perto a trajetória que prevalecer nas bolsas internacionais. Na Bolsa de Mercadorias & Futuros, o dólar abriu em alta de 0,64%, cotado a R$ 2,041.

No exterior, os bancos centrais europeu e japonês continuam provendo o sistema financeiro de liquidez, enquanto pipocam informações de instituições que recorrem às linhas de redesconto em diferentes países. Na Alemanha, indicadores divulgados nesta terça-feira indicam piora nas expectativas para a economia em decorrência dos desdobramentos da crise do crédito imobiliário dos EUA, mas há pouco, o ministro de Finanças do país declarou que os envolvidos na crise têm a situação sob controle. Também nesta terça-feira, em Tóquio, foi anunciado que EUA e Japão definiram que irão observar o comportamento dos mercados com grande atenção, assim como os desdobramentos dos problemas com as hipotecas imobiliárias norte-americanas, e trocar informações a respeito, nos próximos dias.

Já na China foram anunciadas novas medidas de arrocho monetário para tentar conter inflação e demanda por crédito. Em relação ao Brasil, a agência de classificação de risco S&P declarou que o investment grade do País, agora, depende também da resposta que o governo der à turbulência atual dos mercados. Além disso, uma pesquisa da FGV, em conjunto com um instituto alemão, concluiu que o ambiente econômico continua favorável aos negócios na América Latina.