Após leves altas e baixas na primeira parte dos negócios, a moeda norte-americana reforçou a volatilidade em relação ao real logo após a decisão e o comunicado do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), que manteve a taxa básica de juros do país em 5,25% ao ano. Segundo um operador, o Fed em seu comunicado indicou que não está com pressa em socorrer os problemas do mercado de crédito com um corte nas taxas de juro.

O dólar devolveu a queda que exibia antes do anúncio da decisão e chegou a renovar a cotação máxima do dia, acompanhando o sobe e desce das bolsas de valores, mas novamente desacelerou os ganhos. No mercado interbancário, o dólar comercial fechou em alta de 0,05%, a R$ 1,907. No pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros, o dólar negociado à vista terminou o dia estável, a R$ 1,907.

O forte recuo do risco Brasil favoreceu a devolução da alta do dólar, disse outro participante do mercado. Às 16h16, o risco Brasil caía 5%, a 190 pontos-base.