A taxa de câmbio fechou nesta quarta-feira (25) com alta nos dois mercados. Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o dólar à vista encerrou cotado a R$ 1,8650, com valorização de 0,21%. No mercado interbancário, o dólar comercial subiu 0,32% e terminou o dia valendo R$ 1,8670.

A variação da moeda norte-americana em relação do real foi influenciada, na primeira parte dos negócios, pela queda das Bolsas por causa do receio dos investidores com a contaminação já aparente do mercado de crédito pelos problemas com os títulos hipotecários de risco (subprime). No entanto, à tarde, as Bolsas passaram a registrar alta levando o dólar a desacelerar o ritmo de ganho.

Segundo operadores, a divulgação do mais recente Livro Bege do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) teve pouco impacto no primeiro momento sobre os preços dos Treasuries (títulos do Tesouro dos EUA), que se mantiveram perto das máximas do dia (com queda dos juros). Por volta das 16h40, no entanto, o juro do título de 10 anos voltava a cair, em 4,9055%. Mas o mercado de ações, após alternar pequenas altas e baixas, se firmou em terreno positivo.

Crescimento

O documento destacou que a economia dos EUA continuou a subir num ritmo moderado em junho e início de julho, apesar da contínua deterioração do setor de moradia e informes dispersos de avanço desigual. Destacou ainda que os gastos dos consumidores norte-americanos "cresceram a um ritmo moderado", mas "vários distritos indicaram que as vendas foram mistas ou abaixo das expectativas". O Livro Bege é o sumário das condições econômicas atuais que servirá de base para a decisão de política monetária do banco central norte-americano no encontro do dia 7 de agosto.